sicnot

Perfil

Mundo

Bombardeamentos atribuídos à coligação liderada pelos EUA matam 26 civis

Ataques aéreos no nordeste da Síria, realizados provavelmente pela coligação militar internacional liderada pelos EUA, causaram a morte a pelo menos 26 civis, anunciou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

(arquivo)

(arquivo)

reuters

Sete crianças e quatro mulheres fazem parte deste conjunto de vítimas destes ataques, que visaram zonas próximas da vila de Al-Hol, recuperada por rebeldes árabes e curdos às forças do grupo autodenominado Estado Islâmico (EI), especificou o OSDH, que dispõe de uma vasta rede de fonte de informação na Síria.

"Os ataques visaram a localidade de Al-Khan" que continua a ser controlada por aquele grupo, declarou o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane.

"Mas o Daesh (acrónimo árabe do grupo EI) só está presente na periferia. É por isso que as vítimas são civis", precisou.

O balanço pode agravar-se, estimou o dirigente do OSDH, porque há relatos de 17 pessoas desaparecidas sob os escombros.

A coligação liderada pelos EUA começou a bombardear as posições do grupo em Síria em setembro de 2014.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".