sicnot

Perfil

Mundo

Manuel Valls apela ao voto para derrotar a extrema-direita

O primeiro-ministro socialista francês, Manuel Valls, apelou na noite de segunda-feira à votação na direita em três regiões, para procurar evitar a vitória da extrema-direita na segunda volta das eleições regionais.

IAN LANGSDON

"Quando se ama o seu país, não se hesita e vai-se direto ao assunto", declarou o primeiro-ministro na estação de televisão TF1, durante a sua primeira intervenção pública depois de conhecidos os resultados da votação da primeira volta, realizada no domingo, marcada por uma espetacular ascensão da Frente Nacional (FN).

Valls apelou à votação nas listas de direita, no próximo domingo, nas regiões de Provence-Alpes-Côte d'Azur, no sudeste, onde Marion Maréchal-Le Pen teve mais 40% dos votos, de Nord-Pas-de-Calais-Picardie, no norte, onde a presidente da FN Marine Le Pen também recebeu mais de 40% dos sufrágios, e de Alsace-Champagne-Ardennes-Lorraine, onde o estratega da FN, Florian Philippot, também recebeu uma importante votação.

Grande perdedor da primeira volta das eleições, o Partido Socialista decidiu retirar os seus candidatos "nas regiões em que há um risco Frente Nacional e onde a esquerda não supera a direita", para "fazer barragem republicana" à extrema-direita.

No sudeste e norte, os candidatos do Partido Socialista retiraram-se, mas o do leste decidiu manter-se na corrida.

O primeiro-ministro insistiu hoje à noite com este candidato, Jean-Pierre Masseret, para que não persistisse. "Em momentos como este, não se deve persistir. É preciso ser digno, estar à altura do problema: Confortar a República", declarou Valls.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite