sicnot

Perfil

Mundo

Sonda japonesa Akatsuki entrou na órbita de Vénus

A sonda japonesa Akatsuki entrou na órbita de Vénus cinco anos depois do previsto, devido a problemas de propulsão que a obrigaram a andar à volta do Sol, informou hoje a Agência Aeroespacial do Japão (JAXA).

Imagem de Vénus captada pela sonda AKATSUKI imediatamente depois de entrar na órbita do planeta.

Imagem de Vénus captada pela sonda AKATSUKI imediatamente depois de entrar na órbita do planeta.

AKATSUKI / JAXA

Imagem de Vénus captada pela sonda AKATSUKI.

Imagem de Vénus captada pela sonda AKATSUKI.

AKATSUKI / JAXA

O aparelho da JAXA levará três meses a aproximar-se mais do planeta e a obter uma melhor trajetória, mas a equipa já recebeu as primeiras imagens onde se podem ver os gases que rodeiam Vénus, explicou numa conferência de imprensa o encarregado da missão, Masato Nakamura.

"Hoje recebemos a primeira imagem e fiquei muito surpreendido porque nunca vimos uma imagem tão boa como esta. Creio que podemos esperar muito (do trabalho da Akatsuki)", disse.

Na sua órbita atual a sonda leva 13 a 14 dias a dar uma volta completa a Vénus, mas nos próximos meses corrigirá a sua trajetória para se posicionar de modo a conseguir fazê-lo em cerca de nove.

A JAXA espera que a sonda inicie as suas operações regulares a partir de abril do próximo ano.

A Akatsuki foi lançada em maio de 2010 com seis tipos de equipamento de observação para estudar as espessas nuvens sulfúricas que envolvem o planeta, além dos seus fenómenos vulcânicos e meteorológicos.

O Japão investiu 25.200 milhões de ienes (188 milhões de euros) na sua missão a Vénus.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite