sicnot

Perfil

Mundo

Supremo suspende comissão sobre destituição de Dilma

O Supremo Tribunal Federal brasileiro decidiu, esta terça-feira, suspender a comissão especial parlamentar encarregada de examinar o pedido de destituição da Presidente Dilma Rousseff, por supostas irregularidades no momento da sua criação,

© Ueslei Marcelino / Reuters

Esta medida, solicitada pelo Partido Comunista do Brasil, suspendeu o andamento do processo de destituição de Dilma Rousseff até 16 de dezembro, dia em que o tribunal vai reunir em sessão plenária para estudar a validade do procedimento.

O juiz do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Edson Fachin, não anulou, no entanto, os atos praticados até à data, como a eleição na tarde de terça-feira da maioria da oposição para a comissão, segundo o jornal Folha de São Paulo.

A decisão foi tomada "com o objetivo de evitar a prática de atos que eventualmente poderão ser invalidados pelo Supremo Tribunal Federal, obstar aumento de instabilidade jurídica com profusão de medidas judiciais posteriores e pontuais [...] determinando a suspensão da formação e a não-instalação da Comissão Especial, bem como dos eventuais prazos, inclusive aqueles, em tese, em curso, preservando-se ao menos até à decisão do Supremo Tribunal Federal prevista para 16/12/2015, todos os atos até este momento praticados", refere a decisão do juiz.

Luiz Edson Fachin justificou a decisão pela importância do caso, "diante da magnitude do procedimento em curso, da plausibilidade para o fim de reclamar legítima atuação do Tribunal Constitucional e da difícil restituição ao estado anterior do caso".

O juiz pediu ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, rival de Dilma Rousseff, para fornecer "informações num prazo de 24 hores sobre o procedimento seguido para a eleição da Comissão especial".

Horas antes, os deputados da oposição (direita), aliados dos dissidentes da maioria governamental, tinham infligido uma primeira derrota a Dilma Rousseff, ao conseguirem uma maioria de lugares no seio desta comissão, a quem cabe decidir se o pedido de 'impeachment' da Presidente será arquivado ou acolhido e, nesse caso, votado pelo plenário da Câmara.

A lista alternativa venceu por 272 votos contra 199, um dia após o presidente da casa legislativa, Eduardo Cunha, adiar a formação da comissão.

Segundo a imprensa brasileira, houve confusão no plenário e urnas eletrónicas de votação chegaram a ser partidas.

Lusa

  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.