sicnot

Perfil

Mundo

Malala condena comentários "cheios de ódio" de Donald Trump

A jovem ativista paquistanesa Malala Yousafzai, prémio Nobel da Paz 2014, condenou os comentários "cheios de ódio" do pré-candidato republicano à Casa Branca Donald Trump e pediu aos políticos "que pensem antes de falar".

(Arquivo)

(Arquivo)

© Andrew Yates / Reuters

"É verdadeiramente triste escutar estes comentários tão cheios de ódio. Os políticos e os meios de comunicação têm de ser muito, muito cuidadosos com tudo o que dizem", disse Malala num evento para recordar o primeiro aniversário do atentado talibã contra uma escola em Peshawar (Paquistão), no qual morreram 151 pessoas, incluindo 134 alunos.

A 7 de dezembro, Trump pediu a proibição da entrada nos Estados Unidos de todos os muçulmanos em resposta "ao ódio" que, segundo ele, parte dessa comunidade sente contra os norte-americanos.

Hoje, durante a cerimónia em Birmingham (norte de Inglaterra), Malala pediu a Trump e aos restantes políticos "que sejam cuidadosos com os seus comentários" e disse que "culpar todos os muçulmanos só vai radicalizar mais terroristas".

"Se queremos acabar com o terrorismo não podemos culpar todos os muçulmanos. A única coisa que isto vai fazer é radicalizar mais terroristas. Necessitamos de educação de qualidade para derrubar os preconceitos da mentalidade terrorista", afirmou a jovem de 18 anos em declarações citadas pela cadeia britânica BBC.

Malala, que sobreviveu a uma tentativa de assassinato dos talibãs no Paquistão em 2012 disse que "quanto mais se fala do Islão, contra os muçulmanos", mais terroristas se criam.

A jovem paquistanesa participou na cerimónia juntamente com Ahmad Nawaz, de 15 anos, e Muhammad Ibrahim, de 14 anos, dois sobreviventes do ataque de há um ano em Peshawar.

Lusa

  • Admissão de efetivos nas Forças Armadas aquém do pedido pelas chefias
    1:42

    País

    O Ministério das Finanças autorizou a admissão de mais efetivos nas forças armadas, este ano mas a integração fica muito abaixo do número pedido pelas chefias militares. Mário Centeno só terá autorizado a integração de cerca de três mil militares em vez das cinco mil vagas propostas pelas chefias do Exército, Força Aérea e Marinha.

  • Primeiro eclipse solar 100% visível nos EUA em 38 anos
    0:40
  • Pyongyang acusa Washington de atirar "achas para a fogueira"
    1:47

    Mundo

    A Coreia do Sul e os Estados Unidos iniciaram esta segunda-feira exercícios militares conjuntos. As manobras militares procuram ensaiar respostas a uma hipotética invasão da Coreia do Norte. Pyongyang já reagiu e diz que Washington está a atirar "achas para a fogueira". 

  • "É muito importante que os EUA mostrem determinação política e militar"
    0:50

    Mundo

    Os exércitos da Coreia do Sul e dos Estados Unidos iniciaram hoje as manobras anuais numa altura marcada pela recente escalada de tensão entre Pyongyang e Washington. Para Miguel Monjardino, comentador da SIC, estes exercícios militares são encarados como uma provocação para a Coreia do Norte. Monjardino defende que é importante que os EUA mostrem determinação no atual clima de tensão nuclear.

  • China prepara-se para inaugurar comboio mais rápido do mundo
    1:08
  • Morreu o rei da comédia
    2:08

    Cultura

    Um dos grandes nomes do humor norte-americano morreu ontem, aos 91 anos. Jerry Lewis era comediante, ator, argumentista, cantor e realizador. Considerado o rei da comédia, Lewis influenciou diferentes gerações de comediantes e foi defensor de várias causas humanitárias, entre as quais a distrofia muscular.

  • A insólita entrevista de Jerry Lewis que se tornou viral
    2:39

    Cultura

    Jerry Lewis concedeu no início deste ano uma entrevista insólita que se tornou viral nas redes sociais. O comediante decidiu, pura e simplesmente, não colaborar com o entrevistado. Lewis tinha na altura 90 anos e continuava a trabalhar, tendo participado no filme "Max Rose", em 2016.