sicnot

Perfil

Mundo

Refugiados e deslocados vão atingir número recorde em 2015

O ano de 2015 deverá saldar-se por um novo recorde de deslocados e refugiados no mundo, depois de em 2014 ter sido fixado em 59,5 milhões de pessoas, segundo um relatório do ACNUR publicado hoje.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Dimitris Michalakis / Reuters

"O ano de 2015 será, sem dúvida, o palco de uma alta sem precedentes em matéria de deslocamentos forçados no mundo", escrevem os especialistas do Alto Comissariado da Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), a propósito dos dados do primeiro semestre, que são a base do relatório publicado hoje.

Segundo os peritos, "como o número de refugiados, de requerentes de asilo e de pessoas deslocadas continuou a crescer em 2015, é provável que seja muito superior" aos 60 milhões de pessoas.

No decurso do primeiro semestre de 2015, foram contabilizadas pelo menos mais cinco milhões de pessoas consideradas deslocadas. Um total de 4,2 milhões estava deslocado no interior do seu país e 839.000 atravessaram a fronteira.

No primeiro semestre, a Europa foi confrontada com uma chegada sem precedentes de migrantes através do mar Mediterrâneo, sendo a maioria oriunda da Síria e de outros países afetados pela guerra.

Mas como um número considerável de migrantes chegou depois de junho, não foram tomados em consideração para este relatório do ACNUR.

O número de refugiados no mundo aumentou 45% desde 2011.

Os países da África subsariana acolhem a maioria dos refugiados (4,1 milhões), seguidos da Ásia e Pacífico (3,8 milhões), Europa (3,5 milhões), Médio Oriente e África do Norte (3 milhões).

Um total de 753 mil refugiados vive no continente americano.

O ACNUR calculou 3,9 milhões de apátridas no primeiro semestre.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC