sicnot

Perfil

Mundo

Governo francês diz ter abortado plano de atentado em Orleães

O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, anunciou hoje que as autoridades francesas abortaram a semana passada os planos de um atentado terrorista na região de Orleães, no centro do país.

© Jacky Naegelen / Reuters

Durante a operação, foram detidos dois franceses, com 20 e 24 anos, originários daquela mesma zona e que, segundo os órgãos de comunicação social locais, previam atacar um quartel, uma gendarmeria (força militar sobretudo encarregada de funções de polícia no âmbito da população civil) e uma instalação militar.

O presidente da câmara da cidade, Olivier Carré, sublinhou hoje ao canal televisivo BFM TV a necessidade de manter o plano antiterrorista Vigipirate no nível máximo, e apoiou o estado de emergência decretado pelo Executivo após os atentados 'jihadistas' de novembro e que permanece em vigor até 26 de fevereiro.

De acordo com a BFM TV, os primeiros elementos da investigação indicam que os detidos estavam em contacto com um homem na Síria, tinham reunido verba para cometer o atentado e apenas aguardavam por armas para passar à ação.

Segundo o ministro do Interior, 3.414 pessoas foram afastadas das fronteiras de França desde o restabelecimento dos controlos, na sequência dos ataques de 13 de novembro em Paris, "devido ao risco que representam para a segurança e a ordem pública".

Cazeneuve - que não deu detalhes sobre as 3.414 rejeições de entrada - recordou que, a 13 de novembro, quando ataques em vários locais de Paris mataram 130 pessoas, a França restabeleceu o controlo das fronteiras, como prevê o Código Schengen "em tais circunstâncias".

Para o governante, os resultados das medidas tomadas, incluindo o decretar do estado de emergência, "são importantes", sendo de assinalar que, até à data, "foram realizadas 2.898 pesquisas administrativas", daí resultando a interpelação de 346 pessoas, a colocação de 297 sob custódia policial e a prisão de 51 outras.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.