sicnot

Perfil

Mundo

Governo ucraniano e separatistas pró-russos acordam tréguas no Natal e Ano Novo

O Governo ucraniano e os separatistas pró-russos chegaram a um acordo para o estabelecimento de um período de tréguas, que entra em vigor à meia-noite de hoje.

© Valentyn Ogirenko / Reuters

O acordo é visto por analistas como um sinal de que as partes estão prontas para silenciar as armas e negociar o estatuto formal do leste separatista e outros pontos de conflito.

Sublinha também o fracasso dos ocidentais em terminar com o conflito mais mortífero na Europa desde as guerras nos Balcãs, nos anos de 1990.

Os líderes pró-ocidentais de Kiev e os rebeldes estão a disputar o controlo de uma região com 3,5 milhões de pessoas, que é o centro da indústria de carvão e do aço ucraniana.

Um assessor do negociador de paz do Presidente ucraniano, Petro Poroshenko, informou que o acordo foi alcançado em Minsk, durante a última ronda de negociações periódicas.

"Chegámos a um acordo sobre um complete e incondicional cessar-fogo que vai começar às 00:00 horas da noite de 22 para 23 de dezembro", escreveu Darka Olifer, na sua página na rede social Facebook, acrescentando que "esta iniciativa é particularmente necessária para que os civis que ali vivem (no leste separatista) possam passar o Natal e o Ano Novo em paz".

O enviado especial da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), que está envolvido nas negociações para o fim da guerra que dura há 20 meses, afirmou que os dois lados concordaram em limitar os movimentos de tropas e veículos ao longo dos 500 quilómetros da frente.

Citado pela agência noticiosa russa RIA Novosti, este enviado, Martin Sajdik, disse: "Exprimimos as nossas expectativas e esperanças de que as pessoas do leste da Ucrânia possam gozar os seus dias de Natal e Ano Novo em paz e manter esta condição no futuro".

A Organização das Nações Unidas estima que mais de nove mil pessoas, civis na sua maioria, tenham morrido desde o início do confronto, em abril de 2014.

Os dirigentes ucranianos também afirmam que os 40 mil combatentes separatistas estão a ser apoiados por oito mil militares russos.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.