sicnot

Perfil

Mundo

Tunísia prolonga estado de emergência por dois meses

A presidência da Tunísia anunciou hoje o prolongamento por dois meses do estado de emergência, restabelecido em todo o país após o atentado suicida de 24 de novembro contra um autocarro da segurança presidencial que matou 12 pessoas.

(arquivo)

(arquivo)

© Anis Mili / Reuters

O chefe de Estado tunisino "Beji Caid Essebsi decidiu o prolongamento do estado de emergência em todo o território por dois meses" ou seja "até 21 de fevereiro de 2016", referiu um comunicado da presidência.

O prazo desta medida de exceção devia expirar na quarta-feira, 30 dias após a entrada em vigor.

Esta medida de exceção permite que as autoridades possam proibir greves e reuniões "passíveis de provocar ou manter a desordem" e encerrar de forma temporária "salas de espetáculos ou estabelecimentos de venda de bebidas", bem como "tomar todas as medidas para assegurar o controlo da imprensa e das publicações de qualquer tipo".

Após o ataque de 24 de novembro, reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI), o governo tunisino também decretou um recolher obrigatório na capital Tunes, medida que foi levantada há 10 dias.

As forças de segurança intensificaram as investigações e as detenções, após este novo atentado, perpetrado em plena capital tunisina.

Descrita como um modelo devido à sua transição democrática, a Tunísia enfrenta desde a revolução de 2011 - que derrubou a ditadura de Ben Ali e deu início à chamada "Primavera Árabe" -, uma ascensão do movimento 'jihadista', que já matou naquele país várias dezenas de polícias, militares e civis.

Segundo dados oficiais, a Tunísia é um dos países que tem mais cidadãos, cerca de 6.000, nas fileiras das organizações 'jihadistas' na Síria, Iraque e na Líbia.

Antes do ataque suicida contra a segurança presidencial tunisina, outros dois ataques foram reivindicados pelo grupo radical sunita em 2015 no território tunisino: no Museu Bardo em março (22 mortos) e num hotel de Sousse em finais de junho (38 mortos).

Dias depois do ataque contra a unidade hoteleira em Sousse, a Tunísia decretou o estado de emergência, medida que seria levantada em início de outubro.

Os tunisinos já tinham sido submetidos à medida durante um período de três anos, de 14 de janeiro de 2011, algumas horas antes da fuga do ditador Zine El Abidine Ben Ali, a março de 2014.

Lusa

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24

    Economia

    Milhares de clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que até aqui estavam isentos de qualquer pagamento, vão começar a pagar quase 5 euros por mês por comissões de conta. A medida abrange também reformados e pensionistas e entra em vigor já em setembro. Ainda assim, os clientes com mais de 65 anos e uma pensão inferior a 835 euros por mês continuam isentos.

  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC