sicnot

Perfil

Mundo

ONU espera iniciar negociações de paz para a Síria a 25 de janeiro

O mediador da ONU Staffan de Mistura espera reunir-se a partir de 25 de janeiro em Genebra com representantes do Governo e da oposição na Síria, com vista às negociações de paz no país, anunciaram hoje as Nações Unidas.

Staffan de Mistura, emissário da ONU para a Síria

Staffan de Mistura, emissário da ONU para a Síria

© Remo Casilli / Reuters

Staffan de Mistura "intensificou os esforços" de mediação e pretende concluí-los no início do ano, "com o objetivo de encetar as negociações inter-sírias a 25 de janeiro, em Genebra", lê-se num comunicado do seu porta-voz.

O mediador da ONU diz "contar, neste processo, com a total cooperação das partes sírias envolvidas" e acrescenta que "os desenvolvimentos no terreno não devem atrapalhar" o processo.

Na quinta-feira, o Governo sírio afirmou estar "pronto para participar" nas conversações sobre a Síria, sob a égide das Nações Unidas, no final de janeiro, mas colocou como condição ter acesso prévio à "lista da delegação da oposição" que irá estar na mesa das negociações.

O comunicado da ONU faz referência às declarações de Viena, de outubro/novembro últimos, e à declaração de Genebra, de 2012, que estabelece os parâmetros de uma transição política controversa.

A 19 de dezembro, os 15 membros do Conselho de Segurança da ONU aprovaram, por unanimidade, uma resolução confirmando um roteiro para uma solução política para a guerra civil na Síria.

Além das negociações entre a oposição e o regime de Damasco e de um cessar-fogo, o texto aprovado prevê a criação de um governo de transição no prazo de seis meses e a realização de eleições dentro de ano e meio.

Porém, o destino do atual primeiro-ministro sírio no âmbito da transição continua a dividir as grandes potências, com os países ocidentais e a oposição síria a defenderem a retirada de Bashar al-Assad, algo a que a Rússia se opõe.

"Os sírios já sofreram o suficiente, a sua tragédia tem consequências em toda a região e para além dela", lê-se ainda no comunicado das Nações Unidas.

Para a ONU, os sírios "merecem o total empenho de todos os seus representantes, que devem mostrar liderança e visão de longo prazo de modo a superar as suas diferenças para o bem da Síria".

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.