sicnot

Perfil

Mundo

Assassinado na Turquia jornalista sírio crítico do jihadismo

O jornalista sírio Naji Jerf foi assassinado no sábado, na cidade de Gaziantep, na Turquia, noticiou a agência turca de notícias Dogan.

(Arquivo)

(Arquivo)

Hussein Malla / AP

Jerf, de 37 anos, dirigiu um documentário crítico da ação do grupo terrorista autoproclamado Estado Islâmico (EI), o que levou os grupos 'jihadistas' a considerarem-no um "alvo a abater", segundo a suspeita da polícia turca, de acordo com a agência Dogan.

O jornalista, que dirigia a publicação árabe Hentah, foi morto numa avenida do centro de Gaziantep, capital de província turca com o mesmo nome, uma região fronteiriça com a Síria.

O documentário "EI em Alepo", realizado por Jerf, foi transmitido pela cadeia internacional Al Arabiya News e visto por mais de 12 milhões de pessoas na internet, de acordo com este operador televisivo.

A polícia turca lançou uma operação de "caça" aos assassínios, recolhe testemunhos e investiga os registos das câmaras de segurança no local do crime.

A morte de Naji Jerf foi reivindicada pelo grupo terrorista EI nas redes sociais, de acordo com as agências internacionais.

Lusa

  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Pescador resgatado de um lago gelado na Estónia
    1:08
  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.