sicnot

Perfil

Mundo

Mulher de um dos kamikazes do Bataclan orgulhosa do seu sacrifício

A mulher de Samy Aminour, um dos três kamikazes da sala de concertos parisiense Bataclan, está orgulhosa da participação do marido nos atentados de novembro e lamenta não ter podido explodir-se com ele, noticia hoje o diário Le Parisien.

DR

Em diversos correios eletrónicos enviados desde a Síria, Kahina, de 18 anos, disse ter estado ao corrente dos planos de Samy Aminour "desde o princípio", e de lhe ter falado em ir a França para "aterrorizar a população francesa, que tanto sangue tem entre as suas mãos".

"Nada será como dantes. Invejo tanto o meu marido, gostava tanto de ter estado com ele para me fazer explodir", assinalava numa mensagem no dia 18 de novembro, cinco dias depois dos ataques, que fizeram 130 mortos e mais de três centenas de feridos.

A jovem enaltecia a violência e assegurava que, enquanto continuassem a ofender o Islão e os muçulmanos, "todo o mundo" iria ser um objetivo potencial de atentados e "não só os polícias ou os judeus".

Kahina conheceu Amimour em 2013 e partiu com ele para a Síria, e em outros dos seus correios eletrónicos deixava antever que lá viviam, mas criticava os ataques da coligação contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI), que via como "uma guerra pura e dura contra o Islão e não contra o terrorismo".

"Em França e em outras partes vives bem, e aqui muita gente morre. É injusto. Dentro de pouco, se Alá quiser, a França e toda a coligação vai saber o que é a guerra em casa. Vocês matam-nos, nós matamos-vos. A equação é simples", dizia a mulher de Amimour, que foi sepultado na quinta-feira nos arredores de Paris.

Essa mesma mensagem foi lançada pelos três terroristas do Bataclan aos polícias com os quais tentaram negociar na noite dos ataques.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59