sicnot

Perfil

Mundo

Um polícia morto e oito feridos durante ataque com granada em Caracas

As autoridades venezuelanas confirmaram hoje que um agente da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar) morreu na sequência de um ataque com uma granada a uma esquadra móvel, que feriu outros oito polícias.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Segundo fontes policiais, o ataque ocorreu pelas 22:30 locais de domingo (03:00 de hoje em Lisboa), na Praça La Concórdia (centro de Caracas) e o engenho explosivo terá sido lançado a partir de um edifício do programa governamental Grande Missão Habitação Social Venezuelana, situado junto da praça.

O ataque está a ser investigado por funcionários da Divisão Anti-terrorismo do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (Cicpc, antiga Polícia Técnica Judiciária) e do Serviço Bolivariano de Informações (Sebín, serviços secretos).

Segundo a imprensa venezuelana, pelo menos 600 polícias e militares foram assassinados na Venezuela desde janeiro de 2015, 144 deles na zona da Grande Caracas (cidade capital e vizinhos estados de Vargas e Miranda).

Entre 23 e 26 de dezembro, outros cinco polícias foram assassinados em Caracas, dois deles quando desconhecidos atacaram um grupo de agentes que se encontrava junto da esquadra policial de San Agustín (centro de Caracas).

De acordo com o comissário Rafael Graterol, da Polícia de Miranda, a maioria dos ataques a polícias converteu-se numa forma de os criminosos conseguirem as armas que vão usar para cometer crimes.

Segundo a imprensa venezuelana, pelo menos 439 pessoas foram assassinadas na zona da Grande Caracas desde o passado dia 01 de dezembro.

Lusa

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05