sicnot

Perfil

Mundo

Propaganda chinesa cria "rap" para elogiar políticas do Presidente

A televisão estatal chinesa CCTV divulgou hoje no seu site oficial um vídeo musical que, em ritmo 'rap' e com desenhos animados, elogia as políticas do Presidente, Xi Jinping, desde a caça a políticos corruptos às reformas económicas.

O vídeo (disponível em tinyurl.com/gnxb4b4) é semelhante a outros surgidos recentemente, com uma estética "naif" idêntica e forte conteúdo ideológico, como o que em finais de outubro mostrava em inglês os objetivos do XIII Plano Quinquenal (2016-2020) com inspiração "hippy" e mesmo psicadélica.

Estes vídeos circularam amplamente pelas redes sociais chinesas e chamaram a atenção devido à estranha combinação de propaganda comunista com elementos modernos da música ou da cultura ocidentais, pelo que são interpretados como um esforço de Pequim para melhorar a sua imagem dentro e fora do país.

O vídeo agora divulgado, que comemora o segundo aniversário da criação do comité fundado pelo Presidente Xi para dirigir as reformas económicas no país, é mais sóbrio que o de outubro, embora por se tratar, desta vez, de um 'rap', isso tenho permitido dotá-lo de mais letra e, portanto, de mais propaganda.

"O grupo da reforma melhora os serviços, delega o poder em níveis mais baixos, acredita no Governo, deixa que as mãos que não deveriam mexer-se assim continuem e que o mercado governe", começa por dizer a canção em mandarim, que tem também uma importante parte dedicada à luta contra os políticos corruptos.

"Moscas, tigres, grandes raposas -- caça-os, caça-os, caça-os!", diz o refrão, aludindo aos animais com que o jargão comunista chinês costuma referir-se aos altos responsáveis perseguidos por fraude.

O 'rap' aborda ainda outros feitos do regime, como os planos de investimento no exterior, conhecidos como as Novas Rotas da Seda, a abertura de zonas de livre comércio, a fundação do Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas ou a inclusão do yuan no "cabaz básico" do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Este é o terceiro vídeo de desenhos animados e ostensivo conteúdo propagandístico pró-Pequim que é divulgado nas redes chinesas em 2015, depois do de outubro e de uma primeira produção que, em meados do ano, mostrava o Presidente Xi andando de bicicleta com outros líderes mundiais ou caminhando de braço dado com o seu homólogo russo, Vladimir Putin.

Pelo menos os dois primeiros vídeos deste género foram produzidos pelo estúdio de animação chinês Fuxing Lushang, cujo nível de vinculação ao Governo se desconhece.

Em todo o caso, o nome da empresa (que pode traduzir-se como "Caminho para o Rejuvenescimento") sugere proximidade do poder, já que cita uma das expressões mais repetidas pelo Presidente Xi Jinping nos seus discursos.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59