sicnot

Perfil

Mundo

El Niño "pode ser tão mau" em 2016 quanto em 1998

Em 2016, milhões de pessoas serão ameçadas pela fome e pela seca, devido ao El Niño. É o que estimam especialistas, segundo os quais o fenómeno de 2016 poderá ser "tão mau quanto o de 1998".

© Romeo Ranoco / Reuters

O fenómeno deverá colocar algumas regiões em seca severa e outras com inundações frequentes, nos próximos meses. Algumas das zonas que sofrerão mais com o impacto do El Ninõ serão África, as Caraíbas e a América Central e do Sul.

"Em muitos países tropicais, assistimos a grandes reduções da pluviosidade, na ordem dos 20-30%. A Indonésia sofreu uma forte seca, as monções na Índia estiveram 15% abaixo do normal e as previsões para o Brasil e a Austrália são de monções reduzidas", explica Nick Klingman, da Universidade de Reading.

A NASA alerta, por outro lado, para os efeitos deste fenómeno, que podem ser "tão maus" em 2016 quanto foram em 1998.

Com a continuação das secas e das inundações, a escala de potenciais impactos está a preocupar as agências humanitárias. Cerca de 31 milhões de pessoas enfrentam atualmente falta de alimentos em África - um aumento significativo no último ano.

Cerca de um terço destas pessoas vivem na Etiópia, onde 10 milhões de pessoas deverão necessitar de ajuda humanitária em 2016.

O El Niño é um episódio natural que acontece a cada dois a sete anos e que aquece as águas do Pacífico central até à América do Norte e do Sul.

  • Pescador desaparecido no rio Minho, em Alvaredo, Melgaço

    País

    O pescador desapareceu na noite deste sábado no rio Minho, em Alvaredo, no concelho de Melgaço, distrito de Viana do Castelo. Segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil estão envolvidos nas buscas 15 operacionais e quatro viaturas.

  • Portugal vai testar capacidade de resposta a ciberataque
    0:22

    País

    O exercício está marcado para os dias 09 e 10 de maio e é o primeiro a nível nacional a testar um ciberataque em Portugal. O teste é organizado pelo Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) para apurar "o "grau de preparação" das várias entidades públicas e privadas, mas já conclusões a ter em conta. Segundo o coordenador do CNCS, Pedro Veiga confirma-se tendência para os ataques serem cada vez mais sofisticados e é preciso alertar a população para o que publicam na internet e se pode colocar em risco a privacidade e a segurança.