sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 100 mil polícias em prontidão para Ano Novo em França

Mais de 100 mil polícias estão destacados para trabalhar na noite de Ano Novo em França, anunciou hoje o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, devido ao alerta de possíveis atentados terroristas, ainda que, referiu, não haja "uma ameaça concreta".

© Charles Platiau / Reuters

Em declarações à imprensa, citadas pela agência espanhola EFE, Cazeneuve reconheceu que a ameaça terrorista continua a ser "elevada" nas capitais europeias, pelo que a mobilização das forças de segurança em França será "excecional".

O dispositivo policial montado para esta noite será particularmente extenso na região de Paris, particularmente na zona dos Campos Elísios, epicentro das celebrações de Ano Novo, e onde estarão em patrulha 1.700 polícias e 'gendarmes'.

Na Bélgica seis pessoas foram detidas esta manhã, na sequência de novas operações policiais na zona de Bruxelas, anunciou a Procuradoria, que revelou também a manutenção da prisão preventiva dos homens que planeavam ataques a "locais emblemáticos" da cidade no Ano Novo.

Um homem, de 22 anos, foi detido na quarta-feira, em Bruxelas, numa operação no âmbito dos atentados de 13 de novembro, em Paris, divulgaram hoje as autoridades belgas.

O homem, acusado de terrorismo, foi detido na comuna de Molenbeek, onde se têm multiplicado detenções relacionadas com os ataques que mataram 130 pessoas no mês passado.

A operação ocorreu na mesma casa alvo de buscas três dias depois de 13 de novembro, as quais terão revelado indícios da presença de Salah Abdeslam, um dos principais suspeitos dos ataques de Paris e que continua a monte, segundo a cadeia televisiva e radiofónica RTBF.

Por seu lado, o jornal Het Laatste Nieuws indicou tratar-se de uma casa de um familiar próximo de Abdeslam e de onde terão partido cinco pessoas para a Síria.

O anúncio da 10.ª detenção neste processo acontece um dia depois do cancelamento do fogo-de-artifício e das celebrações do ano novo nas ruas do centro de Bruxelas, embora o nível de ameaça continue em três, numa escala de quatro.

Esta semana decorreram várias operações policiais, que resultaram em duas detenções por suspeita de planeamento de ataques na capital belga e uma outra relacionada com os atentados de Paris.

A Bélgica mantém o nível três de alerta, que inclui uma vigilância maior em ocasiões de concentração de pessoas, tendo o último Conselho de Ministros decidido prolongar a presença de militares nas ruas até 20 de janeiro.

Nas esquadras policiais o nível foi aumentado, até 04 de janeiro, por terem sido apontadas como possíveis alvos de ataques.

Lusa

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.

  • Mouchão da Póvoa em risco de desaparecer
    1:58

    País

    A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira alerta para o risco de desaparecimento do Mouchão da Póvoa, uma dos três mouchões do Tejo, no concelho. Em causa está a falta de autorização, pedida à Agência Portuguesa do Ambiente, para uma intervenção de emergência nos diques.

  • Lixo, para que te quero?
    23:17
  • Tuk-tuk em protesto oferecem hoje passeios gratuitos em Lisboa

    País

    A Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos (APECATE) promove hoje a iniciativa "Cá vai Lisboa", com passeios gratuitos de tuk-tuk, para alertar a população para a "problemática" regulamentação municipal deste tipo de veículos.

  • Ricardo Robles apresentado como candidato do BE a Lisboa
    1:31

    Autárquicas 2017

    Ricardo Robles foi formalmente apresentado este sábado como candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Lisboa. No encerramento da convenção autárquica do partido, Catarina Martins fez críticas ao Governo, dizendo que o projeto de descentralização do Executivo é perigoso e ameaça a democracia.