sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 100 mil polícias em prontidão para Ano Novo em França

Mais de 100 mil polícias estão destacados para trabalhar na noite de Ano Novo em França, anunciou hoje o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, devido ao alerta de possíveis atentados terroristas, ainda que, referiu, não haja "uma ameaça concreta".

© Charles Platiau / Reuters

Em declarações à imprensa, citadas pela agência espanhola EFE, Cazeneuve reconheceu que a ameaça terrorista continua a ser "elevada" nas capitais europeias, pelo que a mobilização das forças de segurança em França será "excecional".

O dispositivo policial montado para esta noite será particularmente extenso na região de Paris, particularmente na zona dos Campos Elísios, epicentro das celebrações de Ano Novo, e onde estarão em patrulha 1.700 polícias e 'gendarmes'.

Na Bélgica seis pessoas foram detidas esta manhã, na sequência de novas operações policiais na zona de Bruxelas, anunciou a Procuradoria, que revelou também a manutenção da prisão preventiva dos homens que planeavam ataques a "locais emblemáticos" da cidade no Ano Novo.

Um homem, de 22 anos, foi detido na quarta-feira, em Bruxelas, numa operação no âmbito dos atentados de 13 de novembro, em Paris, divulgaram hoje as autoridades belgas.

O homem, acusado de terrorismo, foi detido na comuna de Molenbeek, onde se têm multiplicado detenções relacionadas com os ataques que mataram 130 pessoas no mês passado.

A operação ocorreu na mesma casa alvo de buscas três dias depois de 13 de novembro, as quais terão revelado indícios da presença de Salah Abdeslam, um dos principais suspeitos dos ataques de Paris e que continua a monte, segundo a cadeia televisiva e radiofónica RTBF.

Por seu lado, o jornal Het Laatste Nieuws indicou tratar-se de uma casa de um familiar próximo de Abdeslam e de onde terão partido cinco pessoas para a Síria.

O anúncio da 10.ª detenção neste processo acontece um dia depois do cancelamento do fogo-de-artifício e das celebrações do ano novo nas ruas do centro de Bruxelas, embora o nível de ameaça continue em três, numa escala de quatro.

Esta semana decorreram várias operações policiais, que resultaram em duas detenções por suspeita de planeamento de ataques na capital belga e uma outra relacionada com os atentados de Paris.

A Bélgica mantém o nível três de alerta, que inclui uma vigilância maior em ocasiões de concentração de pessoas, tendo o último Conselho de Ministros decidido prolongar a presença de militares nas ruas até 20 de janeiro.

Nas esquadras policiais o nível foi aumentado, até 04 de janeiro, por terem sido apontadas como possíveis alvos de ataques.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59