sicnot

Perfil

Mundo

Um morto e quase 200 feridos em celebrações antecipadas do Ano Novo nas Filipinas

Uma pessoa morreu e quase 200 outras ficaram feridas na sequência de balas perdidas e da explosão de fogo-de-artifício nas Filipinas no arranque das caóticas celebrações da época do Ano Novo, informaram esta quinta-feira as autoridades.

(Arquivo)

(Arquivo)

MARK R. CRISTINO / Lusa

As autoridades filipinas indicaram que 185 pessoas receberam assistência médica por incidentes relacionados com explosões ou disparos, sendo que uma foi baleada mortalmente, desde 21 de dezembro, altura em que o país, predominantemente católico, inicia duas semanas de férias e folia.

A polícia indicou que cinco civis, um soldado e uma agente foram detidos por dispararem ilegalmente armas de fogo.

Os incidentes relacionados com o Ano Novo diminuíram em 2014, altura em que 351 pessoas foram feridas por fogo-de-artifício e três atingidas por balas perdidas, o número mais baixo em cinco anos.

Contudo, o número de pessoas que teve de fazer amputações subiu de oito para 14, incluindo um menino de cinco anos que perdeu a mão.

Nas celebrações de 2013, pelo menos duas pessoas morreram e 793 ficaram feridas.

Lusa

  • Chamas no concelho de Torre de Moncorvo ameaçaram aldeia
    1:30

    País

    Dois incêndios no concelho de Torre de Moncorvo deram luta aos bombeiros na tarde de ontem e também durante toda a noite. As chamas estiveram muito próximas da aldeia de Cabanas de Cima, mas os bombeiros conseguiram desviar o fogo.

  • Se

    Se Jaime Marta Soares tiver razão, se a ciência e as autoridades não forem - outra vez? - manipuladas pelo poder político, se a investigação - independente - concluir que o fogo começou muito antes da trovoada, então, estamos diante de um dos maiores embustes do Portugal democrático.

    Pedro Cruz

  • A reconstrução da Nacional 236
    1:44
  • Harry admite que ninguém na família real britânica quer ser rei ou rainha

    Mundo

    O príncipe Harry admitiu que nenhum dos mais jovens membros da família real britânica quer ser rei ou rainha. Numa entrevista exclusiva à revista norte-americana Newsweek, na qual aborda temas como a morte da mãe, que perdeu com apenas 12 anos, Harry afirma que ele e o irmão estão empenhados em "modernizar a monarquia".

    SIC