sicnot

Perfil

Mundo

Deputados afetos ao regime venezuelano abandonam Parlamento

Os deputados afetos ao Governo venezuelano abandonaram esta terça-feira o parlamento, alegando que o novo presidente da Assembleia Nacional, Henry Ramos Allup, da oposição, violou o regulamento interno ao conceder a palavra a deputados da oposição, após a proclamação.

O Presidente venezuelano, Nicolas Maduro. (Arquivo)

O Presidente venezuelano, Nicolas Maduro. (Arquivo)

© Carlos Garcia Rawlins / Reuters

"Se é muito importante dar o direito à palavra a alguns dos deputados da oposição, que se convoque uma sessão extraordinária, mas eles insistem em violar as leis", disse aos jornalistas o deputado socialista Diosdado Cabello, que até hoje presidiu o parlamento venezuelano.

Segundo aquele responsável, o regulamento do parlamento venezuelano estabelece que "na primeira sessão (do novo parlamento) apenas se procede à instalação da Assembleia Nacional".

"Hoje, quando os deputados juraram defender a Constituição e as Leis, eles preferiram a violação do regulamento (...) Não respeitam a Constituição", disse vincando que a oposição tem promovido atos de violência no país e esteve envolvida nos acontecimentos de abril de 2002, quando o falecido Hugo Chávez foi afastado temporariamente do poder.

A retirada dos deputados socialistas ocorreu depois de parlamentares da oposição insistirem que deve ser criada uma lei de amnistia para os presos políticos na Venezuela.

"É ilógico que os assassinos se perdoem a si mesmos", comentou Diosdado Cabello.

Após a retirada dos deputados socialistas, o canal estatal Venezuelana de Televisão (VTV) deixou de transmitir desde o interior do parlamento passando a divulgar imagens de manifestantes afetos ao regime "chavista", no centro de Caracas, em apoio aos deputados da revolução bolivariana.

Durante a sessão de instalação do novo parlamento os deputados socialistas condenaram a presença do ex-Presidente da Colômbia, Andrés Pastrana.

"Faltou ver aqui o embaixador gringo (norte-americano)", disse o deputado socialista Saúl Ortega.

A aliança opositora Mesa de Unidade Democrática obteve, nas eleições de 06 de dezembro último, a primeira vitória em 16 anos, conseguindo 112 dos 167 lugares que compõem o parlamento, uma maioria de dois terços que lhe confere amplos poderes e marca uma viragem história contra o regime "chavista", iniciado por Hugo Chavez, falecido em 2013, e que é agora protagonizado pelo Presidente Nicolás Maduro.

Na passada quinta-feira, o Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela declarou como improcedentes seis dos sete pedidos de impugnação contra dez deputados eleitos nas recentes eleições parlamentares, deixando sem efeito a proclamação de três parlamentares da oposição e um do Governo.

Por esse facto, apenas 109 deputados da oposição e 54 do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) foram hoje proclamados para tomarem posse.

Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Centeno aponta para a reforma e expansão do euro
    0:32

    Economia

    O ministro das Finanças português participa hoje na primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. À entrada para o encontro dos ministros das Finanças da moeda única, Mário Centeno apontou a reforma do Euro como um dos principais desafios do mandato que agora inicia. 

  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".