sicnot

Perfil

Mundo

Republicanos criticam medidas de Obama para controlo de armas nos EUA

Os críticos do Presidente norte-americano classificaram hoje as medidas por ele propostas para o controlo de armas como um ataque aos direitos constitucionais dos cidadãos, e os pré-candidatos presidenciais republicanos prometeram rejeitá-las imediatamente se forem eleitos em novembro.

Reuters

Reuters

© Kevin Lamarque / Reuters

Barack Obama, limpando as lágrimas enquanto pedia aos cidadãos e aos legisladores para serem mais firmes na luta contra a violência armada, anunciou medidas para reforçar a verificação de antecedentes federais dos compradores antes da venda de armas, exigir que os comerciantes de armas tenham licença ou enfrentem processo criminal e expandir os meios de tratamento de saúde mental.

Os republicanos, em plena campanha para as primárias das presidenciais, reagiram de imediato, com o pré-candidato à Casa Branca Jeb Bush a alertar que Obama está "a tentar contornar" a Constituição dos Estados Unidos, apesar de a ameaça terrorista ter aumentado.

"Em vez de tirar as armas das mãos dos cidadãos cumpridores da lei, como Obama e (Hillary) Clinton gostariam de fazer, devíamos concentrar-nos em manter as armas fora das mãos dos terroristas que querem matar americanos inocentes", escreveu Bush no jornal Iowa's Gazette.

"Quando eu for Presidente dos Estados Unidos, revogarei os decretos anti-armas de Obama no primeiro dia do meu Governo", acrescentou.

O pré-candidato republicano Marco Rubio defendeu o mesmo, ao passo que outro pré-candidato republicano mais distante da possibilidade de nomeação, Mike Huckabee, repreendeu Obama, comparando a luta pelo controlo de armas com outro grande cavalo de batalha da sociedade norte-americana: o aborto.

"Você diz que se pudermos salvar uma vida, devemos salvá-la -- bem, aplique os artigos 5.º e 14.º aos nascituros & salve 4.000 vidas por dia", 'twittou' Huckabee ao Presidente.

O ex-administrador de empresas Carly Fiorina classificou a jogada de Obama como "abuso inconstitucional desrespeitador da lei", enquanto o neurocirurgião Ben Carson, também pré-candidato à Casa Branca, observou que o Presidente está apenas "a cumprir a sua agenda política".

Obama, no seu discurso na Casa Branca, disse que não houve nenhuma "rasteira" no sentido de reduzir os direitos dos proprietários de armas ou de confiscar armas.

Mas os críticos, incluindo os republicanos do Congresso, acusaram-no de intimidação que mina os direitos dos portadores de armas norte-americanos.

"Independentemente do que o Presidente Obama diz, a sua palavra não se sobrepõe à segunda emenda", disse o presidente da câmara, Paul Ryan, num 'tweet', quando Obama apresentou as suas medidas.

Vários democratas falaram em defesa dos planos de Obama, incluindo os três candidatos à nomeação do respetivo partido para as eleições presidenciais.

A pré-candidata que está na dianteira, Hillary Clinton, agradeceu a Obama, no 'Twitter', "por dar um passo fundamental em frente para combater a violência armada".

"O nosso próximo Presidente tem de prosseguir esse caminho -- não destruí-lo", frisou.

Lusa

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Uso de véu que tape o rosto proibido em serviços públicos no Quebec, Canadá
    1:04
  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de 5 anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.