sicnot

Perfil

Mundo

Japão, França e Reino Unido condenam de forma veemente teste nuclear de Pyongyang

O Japão, a França e o Reino Unido condenam de forma veemente o teste nuclear da Coreia do Norte. Os três países falam em "violaçao grave" das resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas e em ameaça à segurança internacional.

reuters

O chefe da diplomacia britânica, Philip Hammond, descreveu hoje o teste nuclear da Coreia do Norte como uma "provocação" e uma "grave" violação das resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Na sua conta de Twitter, Hammond escreveu: "Se os relatos de um teste de bomba-H da Coreia do Norte foram verdade, é uma grave violação das resoluções do UNSC [Conselho de Segurança das Nações Unidas] e uma provocação que condeno sem reservas".

A França também o teste nuclear, considerando-o uma "violação inaceitável" das resoluções do Conselho de Segurança da ONU e apelou a uma "reação forte da comunidade internacional".

"Enquanto espera a confirmação das características do teste nuclear anunciado e observado (...) na Coreia do Norte, a França condena esta violação inaceitável das resoluções do Conselho de Segurança [da ONU] e apela a uma reação forte da comunidade internacional", afirmou a presidência francesa em comunicado.

Também o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, condenouo teste, considerando-o uma "ameaça grave" para o Japão e um "sério desafio" aos esforços de não-proliferação nuclear.

"Condeno-o veementemente", afirmou Abe.

"O teste nuclear que foi realizado pela Coreia do Norte é uma grave ameaça à segurança da nossa nação e não podemos, absolutamente, tolerá-lo", disse.

O primeiro-ministro nipónico considerou também que o teste representa "um sério desafio aos esforços internacionais de não-proliferação" nuclear.

A Coreia do Norte afirmou ter testado hoje, pela primeira vez, uma bomba de hidrogénio, uma reivindicação que ainda não foi confirmada, mas já recebeu a condenação de diversos países, incluindo Estados Unidos, China, Coreia do Sul, França e Japão.

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.