sicnot

Perfil

Mundo

Na cidade cercada de Madaya, na Síria, há pessoas a comer folhas das árvores

Na cidade síria de Madaya, cercada por tropas do regime de Damasco, existem pessoas a comer folhas das árvores, disse hoje à Efe o ativista Nasir Ibrahim, no interior da aglomeração.

© Khalil Ashawi / Reuters

Em conversação mantida através da internet, Ibrahim afirmou que os mais afortunados conseguem comprar arroz, com dinheiro que os familiares no exterior lhes fazem chegar, nos postos de controlo governamental nos arredores da cidade, cercada desde julho.

Segundo este ativista, o preço de um quilo de arroz pode atingir os 200 dólares (183 euros) e o leite em pó tem estatuto de bem de luxo, pelo qual se paga 400 dólares.

Na cidade, os civis suportam o melhor que podem as baixas temperaturas invernosas, uma vez que não há combustível para alimentar os aquecedores, queimando a madeira que encontram.

Por acaso, "há água, porque a cidade está coberta de neve", acrescentou.

Os medicamentos também escasseiam em Madaya, onde apenas resta um hospital de campanha "com muitos poucos aparelhos e recursos", avançou ainda.

Ibrahim assegurou que já faleceram 39 pessoas desde o início do cerco, "20 de fome e 19 quando procuravam sair do cerco".

O governo sírio aprovou hoje a entrada de ajuda humanitária da Organização das Nações Unidas em Madaya, onde estão 42 mil pessoas cercadas, em risco de morrer de fome.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.