sicnot

Perfil

Mundo

Agressor de polícia de Filadélfia jurou fidelidade ao Daesh

O homem que tentou matar um agente numa viatura policial em Filadélfia, no leste dos Estados Unidos, tinha jurado fidelidade ao grupo extremista Daesh, anunciou hoje a polícia.

© Handout . / Reuters

O suspeito de 30 anos explicou "ter jurado fidelidade" ao Daesh e indicou ter atuado "em nome do Islão", disse a polícia em conferência de imprensa, acrescentando que o atacante disparou "pelo menos 11 vezes à queima-roupa". O polícia ficou gravemente ferido.

O ataque ocorreu pouco antes das 00:00 locais (05:00 em Lisboa). O suspeito, a pé, visou o veículo onde se encontrava Jesse Hartnett, de 33 anos, aproximando-se progressivamente do automóvel, ao mesmo tempo que disparava.

"Este homem tentou executar o agente", declarou o chefe da polícia de Filadélfia Richard Ross, numa conferência de imprensa esta madrugada.

"O polícia não sabia que ele se aproximava. É incrível que tenha sobrevivido", acrescentou. Ross afirmou que Jesse Hartnett ficou com o braço esquerdo partido, atingido por três balas.

A polícia mostrou imagens vídeo do ataque, ocorrido num cruzamento de Filadélfia. Nestas imagens é possível ver o suspeito a disparar enquanto se aproxima do veículo policial.

Aparentemente, o agente conseguiu sair do veículo e ripostou, ferindo o agressor. A arma usada no ataque foi roubada à polícia em 2013, de acordo com Ross.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41