sicnot

Perfil

Mundo

Milhares marcham em Hong Kong pela libertação dos cinco livreiros desaparecidos

Milhares de manifestantes marcharam hoje pelo centro de Hong Kong para exigir a libertação de cinco livreiros dados como desaparecidos e que foram, alegadamente, detidos pelas autoridades chinesas.

Milhares de manifestantes marcharam hoje pelo centro de Hong Kong para exigir a libertação de cinco livreiros dados como desaparecidos e que foram, alegadamente, detidos pelas autoridades chinesas.

Milhares de manifestantes marcharam hoje pelo centro de Hong Kong para exigir a libertação de cinco livreiros dados como desaparecidos e que foram, alegadamente, detidos pelas autoridades chinesas.

© Tyrone Siu / Reuters


Todos os desaparecidos trabalhavam na livraria Causeway Books ou na casa editora associada (Mighty Current) -- conhecida pelas obras críticas do regime de Pequim e do Partido Comunista chinês e, portanto, popular entre muitos turistas do interior da China, dado que lhes veem vedado o acesso a este tipo de leituras.

O desaparecimento tem alimentado o receio de que as liberdades estarão a ser postas em causa em Hong Kong, região semiautónoma da China, o que já levou a União Europeia e os Estados Unidos da América a expressarem preocupação com esta situação.

O mais recente desaparecimento diz respeito a Lee Bo, de 65 anos, que foi visto pela última vez no dia 30 de dezembro, no armazém da Mighty Current, em Hong Kong, num caso que ocorreu semanas depois de quatro dos seus associados terem desaparecido em circunstâncias idênticas e que continua envolto em mistério.

O protesto foi convocado depois destes desaparecimentos terem despertado o receio de que as autoridades chinesas tenham recorrido a agentes clandestinos para proceder à detenção dos cinco livreiros.

A confirmar-se, esta situação constituiria uma flagrante violação do princípio "Um País, dois sistemas" da Região Administrativa Especial chinesa, que confere a Hong Kong autonomia relativamente a Pequim, desde o acordo firmado com a Grã-Bretanha, em 1997.

Este acordo destina-se a preservar as liberdades e o modo de vida de Hong Kong durante 50 anos e impede que as autoridades chinesas tenham jurisdição na cidade de Hong Kong.

Legisladores pró-democracia, ativistas e alguns moradores acreditam que Lee Bo foi sequestrado em Hong Kong por autoridades do continente Chinês.

"Exigimos que o governo chinês explique imediatamente a situação dos cinco livreiros e que os liberte", afirmou Richard Tsoi, um dos organizadores da marcha, que terá juntado mais de 6.000 manifestantes, citado pela agência de notícias francesa AFP.

"Não ao sequestro político", gritaram os manifestantes, erguendo bandeiras onde se podia ler "Onde estão eles?, enquanto marchavam em direção ao escritório do representante da China.

Lusa

  • Incêndios causaram 76 feridos no espaço de uma semana
    0:34

    País

    No espaço de uma semana, 76 pessoas ficaram feridas, incluindo seis com gravidade, durante os incêndios florestais. Na conferência de imprensa desta tarde, a Proteção Civil explicou que há cinco planos municipais de emergência ativos por causa das chamas.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.