sicnot

Perfil

Mundo

Milhares marcham em Hong Kong pela libertação dos cinco livreiros desaparecidos

Milhares de manifestantes marcharam hoje pelo centro de Hong Kong para exigir a libertação de cinco livreiros dados como desaparecidos e que foram, alegadamente, detidos pelas autoridades chinesas.

Milhares de manifestantes marcharam hoje pelo centro de Hong Kong para exigir a libertação de cinco livreiros dados como desaparecidos e que foram, alegadamente, detidos pelas autoridades chinesas.

Milhares de manifestantes marcharam hoje pelo centro de Hong Kong para exigir a libertação de cinco livreiros dados como desaparecidos e que foram, alegadamente, detidos pelas autoridades chinesas.

© Tyrone Siu / Reuters


Todos os desaparecidos trabalhavam na livraria Causeway Books ou na casa editora associada (Mighty Current) -- conhecida pelas obras críticas do regime de Pequim e do Partido Comunista chinês e, portanto, popular entre muitos turistas do interior da China, dado que lhes veem vedado o acesso a este tipo de leituras.

O desaparecimento tem alimentado o receio de que as liberdades estarão a ser postas em causa em Hong Kong, região semiautónoma da China, o que já levou a União Europeia e os Estados Unidos da América a expressarem preocupação com esta situação.

O mais recente desaparecimento diz respeito a Lee Bo, de 65 anos, que foi visto pela última vez no dia 30 de dezembro, no armazém da Mighty Current, em Hong Kong, num caso que ocorreu semanas depois de quatro dos seus associados terem desaparecido em circunstâncias idênticas e que continua envolto em mistério.

O protesto foi convocado depois destes desaparecimentos terem despertado o receio de que as autoridades chinesas tenham recorrido a agentes clandestinos para proceder à detenção dos cinco livreiros.

A confirmar-se, esta situação constituiria uma flagrante violação do princípio "Um País, dois sistemas" da Região Administrativa Especial chinesa, que confere a Hong Kong autonomia relativamente a Pequim, desde o acordo firmado com a Grã-Bretanha, em 1997.

Este acordo destina-se a preservar as liberdades e o modo de vida de Hong Kong durante 50 anos e impede que as autoridades chinesas tenham jurisdição na cidade de Hong Kong.

Legisladores pró-democracia, ativistas e alguns moradores acreditam que Lee Bo foi sequestrado em Hong Kong por autoridades do continente Chinês.

"Exigimos que o governo chinês explique imediatamente a situação dos cinco livreiros e que os liberte", afirmou Richard Tsoi, um dos organizadores da marcha, que terá juntado mais de 6.000 manifestantes, citado pela agência de notícias francesa AFP.

"Não ao sequestro político", gritaram os manifestantes, erguendo bandeiras onde se podia ler "Onde estão eles?, enquanto marchavam em direção ao escritório do representante da China.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Proteção Civil aponta falhas do SIRESP, operadora diz que esteve à altura do fogo
    4:22
  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.