sicnot

Perfil

Mundo

Camiões com ajuda humanitária entram na cidade síria sitiada de Madaya

Uma coluna de ajuda humanitária chegou hoje a Madaya, cidade síria cercada há seis meses por forças pró-governamentais e onde existem relatos sobre pessoas a morrer à fome, divulgou uma organização humanitária local.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Ammar Abdullah / Reuters

"Dois camiões com bens alimentares e outros dois com cobertores entraram em Madaya às 17:00 locais (15:00 em Lisboa)", afirmou, em declarações à agência francesa AFP, um responsável do Crescente Vermelho Árabe Sírio (SARC), organização federada com a Cruz Vermelha Internacional.

Esta ajuda, que também inclui medicamentos e material cirúrgico, era aguardada com grande expectativa pelos 42 mil habitantes desta cidade localizada a 40 quilómetros a oeste da capital síria de Damasco, cercada pelas forças do regime de Bashar al-Assad há seis meses.

As informações sobre casos de fome e carências alimentares nesta cidade provocaram um clamor internacional e obrigaram o regime sírio a autorizar o acesso à localidade.

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) relatou que pelo menos 28 pessoas morreram de fome em Madaya desde o passado dia 01 de dezembro.

Esta operação humanitária coordenada pelo Crescente Vermelho sírio e a Cruz Vermelha também vai abranger duas localidades xiitas, Foua e Kafraya, que estão cercadas pelas forças rebeldes na província de Idleb (noroeste da Síria).

"Existem cerca de 50 camiões com o símbolo do Crescente Vermelho sírio a caminho de Madaya e outros 21" para Foua e Kafraya, referiu à AFP um porta-voz do Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICR), Pawel Krzysiek, em Damasco, momentos antes da divulgação da entrada dos primeiros camiões em Madaya.

A organização desta operação foi extremamente complexa e envolveu várias entidades sírias e internacionais.

O Programa Alimentar Mundial (PAM) da ONU forneceu bens alimentares, nomeadamente leite para as crianças, enquanto o CICR deu medicamentos em quantidade suficiente para três meses e material cirúrgico para tratar dos feridos e cobertores.

Nos últimos dias, fotografias e vídeos que mostraram crianças subnutridas e muito magras em Madaya foram publicadas nas redes sociais.

Os apoiantes do regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, negaram a gravidade da situação e afirmaram que as imagens tinham sido manipuladas.

A cidade de Madaya é "uma prisão a céu aberto" para quase metade dos seus habitantes, afirmou na sexta-feira o diretor de operações dos MSF, Brice de le Vingne.

"Não há nenhuma maneira de entrar ou sair, apenas morrer", frisou o representante.

Segundo o Observatório sírio dos Direitos Humanos (OSDH), e em comparação com Madaya, a situação é menos dramática em Foua e Kafraya, onde a aviação do regime tem largado bens alimentares.

A coluna para estas duas cidades, situadas a 325 quilómetros de Damasco, deve atravessar territórios controlados por forças opostas.

A última vez que colunas humanitárias chegaram às cidades rebeldes de Madaya e de Zabadani, bem como às localidades de Foua e de Kafraya, foi no passado dia 18 de outubro.

O Conselho de Segurança da ONU deve abordar hoje em Nova Iorque a situação nestas cidades sírias durante as consultas à porta fechada, mas não é aguardada qualquer decisão.

Lusa

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Desporto

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Desporto

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.

  • Mais cinco ilhas dos Açores sob aviso vermelho

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou esta quarta-feira para vermelho o aviso para as cinco ilhas do grupo central dos Açores, onde no Faial o vento atingiu os 150 quilómetros por hora.

  • Votações sobre o mapa judiciário geram tensão no Parlamento
    2:01

    País

    O momento das votações no Parlamento ficou marcado por alguma tensão. Depois de aprovadas, em comissão, as alterações ao mapa judiciário, o PSD opôs-se a que o diploma fosse votado em plenário, uma vez que não fazia parte da versão inicial do guião de votações. A esquerda acusou os sociais-democratas de terem motivações estritamente políticas e não regimentais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • As primeiras palavras de um dos sobreviventes da Chapecoense
    0:29
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.