sicnot

Perfil

Mundo

Camiões com ajuda humanitária entram na cidade síria sitiada de Madaya

Uma coluna de ajuda humanitária chegou hoje a Madaya, cidade síria cercada há seis meses por forças pró-governamentais e onde existem relatos sobre pessoas a morrer à fome, divulgou uma organização humanitária local.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Ammar Abdullah / Reuters

"Dois camiões com bens alimentares e outros dois com cobertores entraram em Madaya às 17:00 locais (15:00 em Lisboa)", afirmou, em declarações à agência francesa AFP, um responsável do Crescente Vermelho Árabe Sírio (SARC), organização federada com a Cruz Vermelha Internacional.

Esta ajuda, que também inclui medicamentos e material cirúrgico, era aguardada com grande expectativa pelos 42 mil habitantes desta cidade localizada a 40 quilómetros a oeste da capital síria de Damasco, cercada pelas forças do regime de Bashar al-Assad há seis meses.

As informações sobre casos de fome e carências alimentares nesta cidade provocaram um clamor internacional e obrigaram o regime sírio a autorizar o acesso à localidade.

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) relatou que pelo menos 28 pessoas morreram de fome em Madaya desde o passado dia 01 de dezembro.

Esta operação humanitária coordenada pelo Crescente Vermelho sírio e a Cruz Vermelha também vai abranger duas localidades xiitas, Foua e Kafraya, que estão cercadas pelas forças rebeldes na província de Idleb (noroeste da Síria).

"Existem cerca de 50 camiões com o símbolo do Crescente Vermelho sírio a caminho de Madaya e outros 21" para Foua e Kafraya, referiu à AFP um porta-voz do Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICR), Pawel Krzysiek, em Damasco, momentos antes da divulgação da entrada dos primeiros camiões em Madaya.

A organização desta operação foi extremamente complexa e envolveu várias entidades sírias e internacionais.

O Programa Alimentar Mundial (PAM) da ONU forneceu bens alimentares, nomeadamente leite para as crianças, enquanto o CICR deu medicamentos em quantidade suficiente para três meses e material cirúrgico para tratar dos feridos e cobertores.

Nos últimos dias, fotografias e vídeos que mostraram crianças subnutridas e muito magras em Madaya foram publicadas nas redes sociais.

Os apoiantes do regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, negaram a gravidade da situação e afirmaram que as imagens tinham sido manipuladas.

A cidade de Madaya é "uma prisão a céu aberto" para quase metade dos seus habitantes, afirmou na sexta-feira o diretor de operações dos MSF, Brice de le Vingne.

"Não há nenhuma maneira de entrar ou sair, apenas morrer", frisou o representante.

Segundo o Observatório sírio dos Direitos Humanos (OSDH), e em comparação com Madaya, a situação é menos dramática em Foua e Kafraya, onde a aviação do regime tem largado bens alimentares.

A coluna para estas duas cidades, situadas a 325 quilómetros de Damasco, deve atravessar territórios controlados por forças opostas.

A última vez que colunas humanitárias chegaram às cidades rebeldes de Madaya e de Zabadani, bem como às localidades de Foua e de Kafraya, foi no passado dia 18 de outubro.

O Conselho de Segurança da ONU deve abordar hoje em Nova Iorque a situação nestas cidades sírias durante as consultas à porta fechada, mas não é aguardada qualquer decisão.

Lusa

  • Carro que atropelou adepto encontrado numa garagem na Amadora
    1:51

    Desporto

    O carro que atropelou o adepto da Fiorentina, junto ao Estádio da Luz, está nas mãos da Polícia Judiciária. O automóvel foi encontrado esta terça-feira por uma brigada da PSP na garagem de um casa da Amadora, que pertence a um elemento da claque dos No Name Boys.

  • A SIC foi dar uma volta de bicicleta

    País

    Há 90 anos, cerca de 40 ciclistas partiam do Marquês de Pombal, em Lisboa, para a primeira etapa da 1.ª Volta a Portugal de Bicicleta. Hoje, um grupo de investigadores repete o percurso, até Setúbal, dando início a uma viagem que pretende incentivar o uso da bicicleta como meio de transporte no dia-a-dia. Um jornalista da SIC segue no pelotão e pode acompanhar a viagem em direto no Facebook da SIC Notícias.

    Em atualização

    SIC

  • Portugal perde 22 mil empregos por ano por causa da pirataria
    1:52

    País

    Todos os anos, Portugal perde cerca de mil milhões de euros e mais de 22 mil empregos por causa à pirataria. Hoje assinala-se o dia mundial da propriedade intelectual. Uma área que diz respeito a todas as formas de arte e, entre outras, ao jornalismo.