sicnot

Perfil

Mundo

Camiões com ajuda humanitária entram na cidade síria sitiada de Madaya

Uma coluna de ajuda humanitária chegou hoje a Madaya, cidade síria cercada há seis meses por forças pró-governamentais e onde existem relatos sobre pessoas a morrer à fome, divulgou uma organização humanitária local.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Ammar Abdullah / Reuters

"Dois camiões com bens alimentares e outros dois com cobertores entraram em Madaya às 17:00 locais (15:00 em Lisboa)", afirmou, em declarações à agência francesa AFP, um responsável do Crescente Vermelho Árabe Sírio (SARC), organização federada com a Cruz Vermelha Internacional.

Esta ajuda, que também inclui medicamentos e material cirúrgico, era aguardada com grande expectativa pelos 42 mil habitantes desta cidade localizada a 40 quilómetros a oeste da capital síria de Damasco, cercada pelas forças do regime de Bashar al-Assad há seis meses.

As informações sobre casos de fome e carências alimentares nesta cidade provocaram um clamor internacional e obrigaram o regime sírio a autorizar o acesso à localidade.

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) relatou que pelo menos 28 pessoas morreram de fome em Madaya desde o passado dia 01 de dezembro.

Esta operação humanitária coordenada pelo Crescente Vermelho sírio e a Cruz Vermelha também vai abranger duas localidades xiitas, Foua e Kafraya, que estão cercadas pelas forças rebeldes na província de Idleb (noroeste da Síria).

"Existem cerca de 50 camiões com o símbolo do Crescente Vermelho sírio a caminho de Madaya e outros 21" para Foua e Kafraya, referiu à AFP um porta-voz do Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICR), Pawel Krzysiek, em Damasco, momentos antes da divulgação da entrada dos primeiros camiões em Madaya.

A organização desta operação foi extremamente complexa e envolveu várias entidades sírias e internacionais.

O Programa Alimentar Mundial (PAM) da ONU forneceu bens alimentares, nomeadamente leite para as crianças, enquanto o CICR deu medicamentos em quantidade suficiente para três meses e material cirúrgico para tratar dos feridos e cobertores.

Nos últimos dias, fotografias e vídeos que mostraram crianças subnutridas e muito magras em Madaya foram publicadas nas redes sociais.

Os apoiantes do regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, negaram a gravidade da situação e afirmaram que as imagens tinham sido manipuladas.

A cidade de Madaya é "uma prisão a céu aberto" para quase metade dos seus habitantes, afirmou na sexta-feira o diretor de operações dos MSF, Brice de le Vingne.

"Não há nenhuma maneira de entrar ou sair, apenas morrer", frisou o representante.

Segundo o Observatório sírio dos Direitos Humanos (OSDH), e em comparação com Madaya, a situação é menos dramática em Foua e Kafraya, onde a aviação do regime tem largado bens alimentares.

A coluna para estas duas cidades, situadas a 325 quilómetros de Damasco, deve atravessar territórios controlados por forças opostas.

A última vez que colunas humanitárias chegaram às cidades rebeldes de Madaya e de Zabadani, bem como às localidades de Foua e de Kafraya, foi no passado dia 18 de outubro.

O Conselho de Segurança da ONU deve abordar hoje em Nova Iorque a situação nestas cidades sírias durante as consultas à porta fechada, mas não é aguardada qualquer decisão.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • FC Porto acusa Benfica de recorrer a serviços de "bruxaria"
    2:34

    Desporto

    Francisco J. Marques acusou o Benfica de recorrer a "bruxaria". O diretor de comunicação do FC Porto revelou uma troca de e-mails entre Luís Filipe Vieira e Armando Nhaga, suposto comissário nacional da polícia da Guiné-Bissau com a celebração de um contrato de prestação de serviços.

  • Francisco J. Marques promete continuar a revelar e-mails
    2:11

    Desporto

    Francisco J. Marques diz que a Polícia Judiciária sabe como o Futebol Clube do Porto teve acesso aos e-mails e desafia o Benfica a revelar os originais. O diretor de comunicação do clube portista revelou ainda que irá continuar a divulgar e-mails, já que isso não é incompatível com o segredo de Justiça.

  • Confirmada prisão dos portugueses que gravaram nome no portão de Auschwitz

    Mundo

    Dois adolescentes católicos portugueses foram condenados a um ano de prisão com pena suspensa, por terem gravado os nomes na porta da entrada principal de Auschwitz-Birkenau. O tribunal de primeira instância de Oswiecim já tinha condenado os jovens e o tribunal de Cracóvia confirmou esta quarta-feira a pena aplicada.

  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Quem é a mulher que diz ser filha de Salvador Dalí

    Cultura

    Maria Pilar Abel Martínez nasceu em 1956 e será o alegado fruto de um caso entre a sua mãe e Salvador Dalí. Um tribunal de Madrid ordenou a exumação do cadáver do pintor e a obtenção de amostras, de modo a determinar se a mulher espanhola é mesmo filha de Dalí.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.