sicnot

Perfil

Mundo

Tomada de reféns num centro comercial de Bagdade, 12 mortos

Homens armados sequestraram hoje um número indeterminado de pessoas num centro comercial de Bagdade, onde entraram depois de fazerem explodir um veículo armadilhado na rua, incidente que até ao momento fez pelo menos 12 mortos, avança a agência France Press.

Vista aérea de Bagdade captada em junho de 2014.

Vista aérea de Bagdade captada em junho de 2014.

© Brendan Smialowski / Reuters

Os atacantes permaneciam ao final da tarde no interior do centro comercial no bairro de Bagdad al-Jadida, no leste da capital iraquiana, segundo um coronel de polícia citado pela agência France Presse.

"Eles estão dentro do centro comercial Zahrat. Quando as forças de segurança se aproximaram, eles mataram três reféns", disse uma outra fonte policial à agência.

"Agora adotámos uma abordagem prudente. Queremos acabar com o sequestro com o menor número de vítimas possível", acrescentou.

Fonte médica confirmou que pelo menos oito mortos foram levados para o hospital, assim como 14 feridos.

O centro comercial é um edifício de quatro ou cinco andares num popular bairro comercial, de população maioritariamente xiita.

Segundo fonte do Ministério do Interior, um número ainda não determinado de homens armados começou a disparar em plena rua depois da explosão de um carro armadilhado, entrando em seguida no edifício do centro comercial.

"Eles controlam completamente o centro comercial e têm atiradores no telhado", disse a fonte.

A polícia indicou que unidades antiterroristas dos serviços de informações foram destacadas para o local e que atiradores de elite foram colocados em edifícios próximos do centro.

O ataque não foi reivindicado até ao momento, mas uma fonte policial descreveu os atacantes como "vestidos à maneira" do grupo extremista Estado Islâmico.

O grupo tem reivindicado vários atentados em Bagdad contra civis xiitas.

Lusa

  • Presidente do Tondela diz que clube foi humilhado
    1:26

    Desporto

    O presidente do Tondela participou esta segunda-feira na conferência de imprensa após o jogo da 23.ª jornada da I Liga com o Sporting. Gilberto Coimbra criticou o árbitro do encontro João Capela, e diz que o tempo de compensação dado a mais foi por uma falta que não foi assinalada sobre um jogador do Tondela, Bruno Monteiro.

  • Último golo do Sporting ao Tondela "é legal e limpinho" 
    0:41

    Desporto

    Jorge Jesus entende que a vitória desta segunda-feira do Sporting frente ao Tondela não merece contestação e destaca o facto de o árbitro ter avisado os jogadores que iria prolongar o tempo extra. Para o treinador dos leões, o golo no minuto 99' é legal. 

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC