sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 300 pessoas retiradas da localidade síria de Madaya

Pelo menos 300 pessoas foram retiradas hoje da localidade síria de Madaya, noroeste de Damasco, cercada pelo exército e pelo grupo xiita libanês Hezbolah, informou o diretor do Observatório sírio de Direitos Humanos, Rami Abderrahman.

Reuters

A mesma fonte adiantou que há mais 400 pessoas doentes que necessitam de receber tratamento urgente e que esperam ser retiradas em breve.

A ONU informou segunda-feira à noite que centenas pessoas deveriam ser retiradas de Madaya porque podem morrer.

Trabalhadores de agências humanitárias encontraram 400 sírios a sofrerem de fome, desnutrição e de outros problemas de saúde durante uma visita ao hospital em Madaya, relatou hoje o chefe para os Assuntos Humanitários das Nações Unidas, Stephen O'Brien, aos jornalistas, após o fim da reunião do Conselho de Segurança, que decorreu à porta fechada, confirmando a urgência de retirar cerca de 400 sírios que correm perigo de vida.

Segundo o mesmo responsável, além de serem necessárias garantias por parte do Governo sírio para que o local possa ser evacuado em segurança -- seja por terra ou por ar -- são também precisas garantias de "outras partes" envolvidas no conflito.

Uma coluna de ajuda humanitária chegou na segunda-feira a Madaya, cercada há seis meses por forças pró-governamentais e onde existem relatos sobre pessoas a morrer à fome, numa operação coordenada pelo Crescente Vermelho sírio e a Cruz Vermelha.

As informações sobre casos de fome e carências alimentares nesta cidade provocaram um clamor internacional e obrigaram o regime sírio a autorizar o acesso à localidade.

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) relatou que pelo menos 28 pessoas morreram de fome em Madaya desde o passado dia 01 de dezembro.

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15