sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro livro do papa Francisco defende mensagem de misericórdia da Igreja

O papa Francisco defende no seu primeiro livro, que vai ser lançado hoje, que a "Igreja não está no mundo para condenar", mas para transmitir uma mensagem de misericórdia a uma "Humanidade que tem feridas profundas".

ETTORE FERRARI

"Não são apenas as doenças sociais e as pessoas feridas pela pobreza, pela exclusão social, pelas inúmeras escravidões do terceiro milénio. Também o relativismo fere muitas pessoas: tudo parece igual, tudo parece o mesmo", refere um excerto do livro "O nome de Deus é misericórdia".

Francisco explica que a Igreja "não está no mundo para condenar, mas para permitir o encontro com (...) a misericórdia de Deus", e defende que "para isso (...) é necessário sair das igrejas e das paróquias" e procurar as pessoas "onde vivem e sofrem".

"O nome de Deus é misericórdia" resulta de uma conversa com o vaticanista do jornal italiano La Stampa Andrea Tornielli sobre o tema e a mensagem católica da misericórdia, central no percurso de Jorge Bergoglio.

Editado em Portugal pela Planeta, o primeiro livro de Francisco inclui a bula de proclamação do jubileu extraordinário da misericórdia "Misericoriae Vultus", que explica a decisão do papa de proclamar este ano jubilar.

O livro vai estar disponível, em simultâneo, em 86 países e em seis línguas: italiano, inglês, francês, alemão, espanhol e português.

A cerimónia de lançamento vai decorrer no Instituto Augustiniani, no Vaticano.

Este é o primeiro livro publicado por Jorge Bergoglio desde que foi eleito em março de 2013. Em junho, a encíclica "Laudato Si", também traduzida em várias línguas, foi um êxito mundial de vendas.

Lusa

  • Marcelo quer fazer mais e melhor
    0:48

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa quer fazer mais e melhor no segundo ano enquanto Presidente da República. Marcelo fez esta terça-feira um balanço do primeiro ano em Belém, dizendo que é preciso não perder o que se conseguiu em termos de recuperação económica mas que é preciso ser mais ambicioso.

  • "Andem lá com isso!"
    0:42
  • "A Miss Helsínquia é a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza"

    Mundo

    Sephora Lindsay Ikabala venceu o concurso Miss Helsínquia 2017 e, desde então, tem vindo a ser insultada e criticada nas redes sociais. A nigeriana de 19 anos vive na cidade desde criança. "A Miss Helsínquia é literalmente a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza", é apenas um dos muitos comentários que circula nas redes sociais.