sicnot

Perfil

Mundo

Ministra dos Negócios Estrangeiros da Suécia proibida de entrar em Israel

A ministra dos Negócios Estrangeiros da Suécia, Margot Wallstrom, foi proibida de entrar em Israel depois das declarações que fez sobre a morte de palestinianos pelas forças israelitas, divulgou hoje o governo hebraico.

Antti Aimo-Koivisto

Wallstrom solicitou na terça-feira inquéritos "aprofundados" às circunstâncias das mortes de palestinianos por forças israelitas nos últimos meses, em contexto de violência acrescida.

Hoje, ao fim da tarde, um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita anunciou que o embaixador sueco em Israel, Karl-Gustav Nesser, tinha sido convocado "de urgência" para o Ministério, em Jerusalém.

"Foi apresentado um protesto ao embaixador, depois das afirmações agressivas da ministra sueca e, durante o encontro, foi-lhe transmitida a cólera do governo e do povo israelitas pela apresentação tendenciosa da realidade, que denota uma relação hostil para com Israel", disse o porta-voz.

Antes desta convocatória, a ministra ajunta dos Negócios Estrangeiros israelita, Tzipi Hotovely, afirmou que, depois das declarações de Wallstrom, "que constituem uma mistura de cegueira e estupidez política, Israel decidiu fechar as suas portas a visitas oficiais suecas".

Esta declaração da ministra israelita, difundia pela rádio pública, parecendo valer para todas as visitas oficiais suecas, causou aparentemente algum desconforto no governo de Israel.

Questionado pela AFP, um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros especificou que apenas Margot Wallström "não era bem-vinda em Israel, mas os outros responsáveis oficiais suecos não são visados e são bem-vindos".

As afirmações de Hotovely foram consideradas "exageradas" pelo primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, noticiaram os meios israelitas. Estes destacaram inclusive que uma das vice-presidentes do parlamento sueco, Esabelle Dingizian, está a fazer uma visita a Israel.

Netanyahu conserve o controlo da pasta dos Negócios Estrangeiros.

Wallstrom, social-democrata, foi questionada na terça-feira no parlamento pela polémica levantada no mês anterior, pelas suas declarações sobre a necessidade de evitar "execuções extrajudiciais" em Israel.

O debate apareceu depois de uma centena de palestinianos terem sido abatidos em dois meses, na sua maior parte quando faziam ou tentavam fazer ataques com arma branca em Israel e nos territórios palestinianos.

O número de mortos atingiu os 150 do lado palestiniano e 23 do israelita.

Desde a sua entrada em funções no outubro de 2014, e do anúncio quase imediato do reconhecimento do Estado palestiniano pela Suécia, que Wallstrom tem irritado com frequência a diplomacia israelita.

Hotovely pertence a uma nova geração de membros muito à direita do Likud, partido de Netanyahu, que rejeita a criação de um Estado palestiniano e defende a ideia de um "Grande Israel" que junte Israel e os Territórios Palestinianos.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.