sicnot

Perfil

Mundo

Redes sociais na mira das críticas do poder angolano

A contestação à alegada utilização abusiva das redes sociais continua a subir de tom junto do regime angolano, agora com o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), partido no poder, a assumir posição oficial.

© Dado Ruvic / Reuters

Depois de o Presidente José Eduardo dos Santos ter defendido, na sua mensagem de ano novo, legislação própria para regular a matéria, o secretariado do bureau político do Comité Central do MPLA emitiu na terça-feira um comunicado denunciando a "tendência crescente dos seus opositores" em "criarem contas falsas na internet".

Desta forma, lê-se no comunicado - divulgado sob o pretexto de desmentir a convocação nas redes sociais, pelo MPLA, de uma marcha de apoio ao Governo pela recente subida dos combustíveis no país -, "supostos militantes, amigos ou simpatizantes seus questionam ou ridicularizam o partido e o executivo [nas redes sociais], com o propósito de confundir os internautas".

"Não sendo verdade que o MPLA estaria na base da preparação de eventuais marchas nesse sentido, o secretariado do bureau político do Comité Central do partido vem, por este meio, denunciar mais esta manobra dos inimigos da paz em Angola, que, através do boato e da mentira, pretendem dividir o povo angolano e instalar a confusão generalizada", critica o comunicado.

O documento afirma ainda que "perante mais esta farsa, em que, novamente, as redes sociais são utilizadas para violar o direito das pessoas, caluniar e veicular conteúdos enganadores", o MPLA "não pode ficar indiferente, reiterando a sua posição inequívoca de garantir, através dos mecanismos do Estado democrático de direito, a segurança de uma Nação una e indivisível, onde a verdade seja o seu apanágio".

As redes sociais têm sido utilizadas em Angola, sobretudo pelos jovens, para criticar a governação do país, liderado pelo MPLA desde 1975 ou mesmo para convocar manifestações e outras ações de protestos, além da divulgação de alegados abusos dos direitos humanos pelas autoridades.

A 18 de dezembro, o Presidente angolano falou diretamente sobre as redes sociais na sua mensagem de ano novo à nação, durante a qual defendeu que os jovens devem "contribuir para a harmonia e coesão social" do país, aludindo aos abusos, éticos e morais, alegadamente praticados com recurso às redes sociais.

Garantiu, então, que o Governo "não vai poupar esforços para melhorar a qualidade da formação dos angolanos" e que é necessário "alterar o atual clima moral que tende a predominar nas relações sociais, sob o impacto das novas tecnologias de informação e comunicação".

"As redes sociais constituem uma conquista técnica e científica de toda a Humanidade, de que os angolanos devem beneficiar para melhorar o seu acesso ao conhecimento, mas não devem ser utilizadas para violar o direito das pessoas, expor a vida íntima de quem quer que seja, caluniar, humilhar e veicular conteúdos degradantes e moralmente ofensivos".

Defendeu mesmo que Angola "deve dispor o mais depressa possível de legislação adequada para orientar a sociedade e as instituições e reprovar ou prevenir o surgimento deste tipo de práticas, que são inaceitáveis".

"A nossa preocupação maior deve centrar-se cada vez mais no resgate e aperfeiçoamento dos valores morais e no desenvolvimento das suas qualidades pessoais e das aptidões profissionais", rematou José Eduardo dos Santos na ocasião.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.