sicnot

Perfil

Mundo

Ban Ki-moon diz que uso da fome como arma é crime de guerra

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, avisou hoje que a utilização da fome como arma na Síria constitui crime de guerra, enquanto Paris, Londres e Washington pediram uma reunião urgente do Conselho de Segurança sobre o cerco às cidades.

Bebeto Matthews

"Deixem-me ser claro: o uso da fome como arma de guerra é um crime de guerra", referiu Ban aos jornalistas, após equipas de ajuda humanitária terem fornecido alimentos aos residentes da cidade cercada de Madaya, onde há relatos de fome.

"Todas as partes, incluindo o Governo sírio que tem a primeira responsabilidade para proteger sírios, estão a cometer este e outros atos atrozes proibidos pela lei humanitária internacional", disse.

Ban exprimia-se após uma segunda coluna com alimentos e outros produtos básicos ter entrado hoje em Madaya, onde diversos residentes se têm referido a graves situações de escassez alimentar que já provocaram vítimas.

Na segunda-feira, uma primeira coluna chegou a Madaya, cercada há seis meses pelas forças sírias, enquanto outros camiões de transportes também atingiam duas outras cidades bloqueadas por forças rebeldes.

Em paralelo, Paris, Londres e Washington pediram uma reunião de urgência do Conselho de Segurança (CS) da ONU para exigir o levantamento dos cercos às cidades sírias, incluindo Madaya, anunciou o embaixador francês.

Esta reunião, que poderá ocorrer a partir de sexta-feira, destina-se a "alertar o mundo sobre o drama humanitário que decorre em Madaya e em outras cidades da Síria" assediadas, declarou François Delattre. Trata-se de "colocar cada um perante as suas responsabilidades".

A iniciativa destina-se ainda a "contribuir para criar condições mais favoráveis ao retomar do diálogo inter-sírio", a dez dias da prevista abertura de negociações de paz em Genebra.

Para além deste três países, a iniciativa é também apoiada pela Nova Zelândia e Espanha, membros não-permanentes do CS.

Lusa

  • Prisão preventiva para homicida de Barcelos
    1:43

    País

    O alegado homicida de Barcelos vai ficar em prisão preventiva, por quatro crimes de homicídio. Adelino Briote foi ouvido este sábado de manhã no Tribunal de Braga, depois de na sexta-feira ter alegadamente degolado quatro pessoas na freguesia de Tamel, em Barcelos.

  • Homem suspeito de matar a mulher em Esmoriz

    País

    Um homem é suspeito de ter esfaqueado este sábado mortalmente a mulher em Esmoriz, concelho de Ovar, num contexto de violência doméstica, disse à agência Lusa fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR).

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Milhares nas cerimónias fúnebres de dirigente do Hamas

    Mundo

    Milhares de palestinianos participaram nas cerimónias fúnebres de um dirigente do Hamas, assassinado esta sexta-feira, na Faixa de Gaza. Vários homens armados acompanharam o cortejo fúnebre até à mesquita, onde se fizeram as últimas orações.