sicnot

Perfil

Mundo

Ban Ki-moon diz que uso da fome como arma é crime de guerra

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, avisou hoje que a utilização da fome como arma na Síria constitui crime de guerra, enquanto Paris, Londres e Washington pediram uma reunião urgente do Conselho de Segurança sobre o cerco às cidades.

Bebeto Matthews

"Deixem-me ser claro: o uso da fome como arma de guerra é um crime de guerra", referiu Ban aos jornalistas, após equipas de ajuda humanitária terem fornecido alimentos aos residentes da cidade cercada de Madaya, onde há relatos de fome.

"Todas as partes, incluindo o Governo sírio que tem a primeira responsabilidade para proteger sírios, estão a cometer este e outros atos atrozes proibidos pela lei humanitária internacional", disse.

Ban exprimia-se após uma segunda coluna com alimentos e outros produtos básicos ter entrado hoje em Madaya, onde diversos residentes se têm referido a graves situações de escassez alimentar que já provocaram vítimas.

Na segunda-feira, uma primeira coluna chegou a Madaya, cercada há seis meses pelas forças sírias, enquanto outros camiões de transportes também atingiam duas outras cidades bloqueadas por forças rebeldes.

Em paralelo, Paris, Londres e Washington pediram uma reunião de urgência do Conselho de Segurança (CS) da ONU para exigir o levantamento dos cercos às cidades sírias, incluindo Madaya, anunciou o embaixador francês.

Esta reunião, que poderá ocorrer a partir de sexta-feira, destina-se a "alertar o mundo sobre o drama humanitário que decorre em Madaya e em outras cidades da Síria" assediadas, declarou François Delattre. Trata-se de "colocar cada um perante as suas responsabilidades".

A iniciativa destina-se ainda a "contribuir para criar condições mais favoráveis ao retomar do diálogo inter-sírio", a dez dias da prevista abertura de negociações de paz em Genebra.

Para além deste três países, a iniciativa é também apoiada pela Nova Zelândia e Espanha, membros não-permanentes do CS.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.