sicnot

Perfil

Mundo

Clinton e Sanders em conflito sobre armas, saúde e relações com o Irão

Os pré-candidatos democratas às presidenciais dos Estados Unidos Bernie Sanders e Hillary Clinton entraram hoje em conflito em torno de planos de saúde, venda de armas e relações com o Irão, no último debate antes das primeiras votações.

© Randall Hill / Reuters

Sanders e Clinton, juntamente com o terceiro candidato Martin O'Malley, debateram em Charleston, Carolina do Sul, pela última vez antes das votações em Iowa, daqui a duas semanas.

Sanders, que se tem aproximado de Clinton nas sondagens, revelou, duas horas antes do início do debate, a sua proposta de plano de saúde, "Medicare for All", que garantiu poder poupar às famílias norte-americanas de classe média milhares de dólares por ano.

No entanto, este plano implicaria uma subida de impostos para todos os norte-americanos.

Sanders, um senador independente que se descreve como um democrata socialista, garantiu que o seu plano pouparia seis biliões em dez anos, quando comparado com o atual sistema.

Clinton já tinha criticado Sanders por tentar vender um sistema de pagamento único nacional administrado pelo governo federal que seria demasiado caro, e no debate de domingo reforçou esta crítica afirmando que o plano de Sanders iria destruir o de Barack Obama, que permitiu que mais 19 milhões de pessoas ficassem protegidas por um seguro de saúde.

Mudando para o tema do controlo de armas, Clinton acusou Sanders de ter uma posição demasiado permissiva.

"Votou numerosas vezes juntamente com a NRA (National Rifle Association), com o lóbi das armas", disse, chamando a atenção para os muitos votos de Sanders contra legislação que obrigasse a uma maior verificação dos antecedentes dos compradores de armas.

Sanders defendeu-se afirmando que em Vermont teve uma posição "firme contra o lóbi das armas" e que se opõe à venda "de armas de estilo militar".

"Sou a favor da verificação automática de antecedentes", disse.

No entanto, voltou a defender os motivos que o levaram a opor-se, no passado, à retirada da imunidade aos vendedores e fabricantes de armas: "Se alguém tem uma pequena loja de armas e estas caiem nas mãos erradas, devemos culpá-lo? Devemos rever a questão", disse.

Os pré-candidatos democratas entraram também em conflito sobre a velocidade a que deve decorrer a normalização das relações com o Irão, após o levantamento das sanções anunciado este fim de semana.

Clinton, que celebrou o acordo nuclear como parte do seu legado como secretária de Estado (2009-2013), defendeu que não se acelere o processo e se vigie o Irão com muito cuidado, enquanto Sanders pediu uma normalização das relações com rapidez.

"Devemos normalizar o mais rapidamente possível as relações com o Irão, tendo em conta a sua inaceitável retórica anti-Estados Unidos e o seu financiamento ao terrorismo", disse o senador.

"Quero que a relação seja o mais positiva possível, não digo que tenhamos de abrir uma embaixada amanhã, mas o trabalho deve ser semelhante ao que se fez em Cuba", explicou.

Já Clinton defendeu uma postura cautelosa: "Temos de os vigiar com muito cuidado. Tivemos um dia bom, precisamos de mais dias bons até que possamos avançar com mais rapidez para a normalização", defendeu a antiga primeira-dama.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".