sicnot

Perfil

Mundo

Moçambique e Tanzânia perderam metade dos seus elefantes nos últimos seis anos

Moçambique e Tanzânia perderam metade das suas populações de elefantes nos últimos seis anos devido ao tráfico ilegal de marfim, razão por que as Nações Unidas pedem aos dois países a adoção de medidas contra a caça furtiva.

THEMBA HADEBE

O porta-voz e analista de comércio do Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês), Colman O'Criodain, disse hoje à agência de notícias espanhola EFE que os dois países estão sob observação das Nações Unidas por, nos últimos dois anos, não terem progredido na sua legislação nacional sobre o tema.

O Comité Permanente da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Selvagens da Fauna e Flora (CITES) reuniu-se entre 11 e 15 de janeiro, em Genebra, para determinar os progressos na legislação dos países implicados com a caça e o comércio de marfim.

Durante o encontro da CITES também foi proposta a imposição de sanções comerciais a Angola, Laos e Nigéria pela falta de colaboração e informação sobre a aplicação de medidas contra o tráfico ilegal de marfim.

Moçambique é um dos países com a maior caça de elefantes e rinocerontes e, apesar de ter modificado as suas leis sobre os animais selvagens, "pela caça de algum destes exemplares a pena é apenas uma pequena multa", sublinhou O'Criodain.

Na Tanzânia, a situação é um pouco diferente, pois embora o país tenha alterado a sua legislação, a ilha de Zanzibar - apesar de integrar o território nacional - tem leis distintas e permite um "vazio legal" para o comércio de objetos e animais selvagens.

"A situação em Zanzibar não progrediu desde a última reunião do Comité em junho. A Tanzânia deveria controlar tudo aquilo que passa pela ilha e melhorar a presença no terreno", disse O'Criodain.

A caça furtiva de elefantes em África tem diminuído progressivamente desde o seu pico em 2011, ainda assim, cerca de 30 mil paquidermes são assassinados todos os anos no continente por traficantes de marfim.

Os especialistas dizem que esse decréscimo está diretamente relacionado com a diminuição da população de elefantes em algumas partes da África, como é o caso da Tanzânia e de Moçambique, onde pelo menos 500 elefantes foram abatidos nos últimos três anos.

Por outro lado, segundo dados da WWF, na Namíbia em 2015 foram caçados ilegalmente 80 rinocerontes e na África do Sul foram abatidos, também ilegalmente, mil rinocerontes pelo terceiro ano consecutivo.

O comércio ilegal estende-se em direção a Ásia, onde as presas de elefante e os chifres de rinoceronte são usados na medicina tradicional ou em objetos de luxo.

Vietname e Tailândia estão entre os países em que o marfim tem uma alta cotação e têm os mais importantes mercados do sudeste asiático.

Estes dois países asiáticos fizeram progressos nesta matéria nos últimos anos, ainda assim, o CITES exigiu um maior envolvimento para reverter essa situação e evitar sanções.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.