sicnot

Perfil

Mundo

Moçambique e Tanzânia perderam metade dos seus elefantes nos últimos seis anos

Moçambique e Tanzânia perderam metade das suas populações de elefantes nos últimos seis anos devido ao tráfico ilegal de marfim, razão por que as Nações Unidas pedem aos dois países a adoção de medidas contra a caça furtiva.

THEMBA HADEBE

O porta-voz e analista de comércio do Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês), Colman O'Criodain, disse hoje à agência de notícias espanhola EFE que os dois países estão sob observação das Nações Unidas por, nos últimos dois anos, não terem progredido na sua legislação nacional sobre o tema.

O Comité Permanente da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Selvagens da Fauna e Flora (CITES) reuniu-se entre 11 e 15 de janeiro, em Genebra, para determinar os progressos na legislação dos países implicados com a caça e o comércio de marfim.

Durante o encontro da CITES também foi proposta a imposição de sanções comerciais a Angola, Laos e Nigéria pela falta de colaboração e informação sobre a aplicação de medidas contra o tráfico ilegal de marfim.

Moçambique é um dos países com a maior caça de elefantes e rinocerontes e, apesar de ter modificado as suas leis sobre os animais selvagens, "pela caça de algum destes exemplares a pena é apenas uma pequena multa", sublinhou O'Criodain.

Na Tanzânia, a situação é um pouco diferente, pois embora o país tenha alterado a sua legislação, a ilha de Zanzibar - apesar de integrar o território nacional - tem leis distintas e permite um "vazio legal" para o comércio de objetos e animais selvagens.

"A situação em Zanzibar não progrediu desde a última reunião do Comité em junho. A Tanzânia deveria controlar tudo aquilo que passa pela ilha e melhorar a presença no terreno", disse O'Criodain.

A caça furtiva de elefantes em África tem diminuído progressivamente desde o seu pico em 2011, ainda assim, cerca de 30 mil paquidermes são assassinados todos os anos no continente por traficantes de marfim.

Os especialistas dizem que esse decréscimo está diretamente relacionado com a diminuição da população de elefantes em algumas partes da África, como é o caso da Tanzânia e de Moçambique, onde pelo menos 500 elefantes foram abatidos nos últimos três anos.

Por outro lado, segundo dados da WWF, na Namíbia em 2015 foram caçados ilegalmente 80 rinocerontes e na África do Sul foram abatidos, também ilegalmente, mil rinocerontes pelo terceiro ano consecutivo.

O comércio ilegal estende-se em direção a Ásia, onde as presas de elefante e os chifres de rinoceronte são usados na medicina tradicional ou em objetos de luxo.

Vietname e Tailândia estão entre os países em que o marfim tem uma alta cotação e têm os mais importantes mercados do sudeste asiático.

Estes dois países asiáticos fizeram progressos nesta matéria nos últimos anos, ainda assim, o CITES exigiu um maior envolvimento para reverter essa situação e evitar sanções.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.