sicnot

Perfil

Mundo

Portugal contribui com 100 mil € para fundo da UE de resposta à crise síria

Portugal decidiu contribuir com 100 mil euros para o Fundo Fiduciário Regional da União Europeia criado em resposta à crise síria, indicou hoje em Bruxelas a secretária de Estado dos Assuntos Europeus.

Reuters

Reuters

© Ammar Abdullah / Reuters

Em declarações no final de uma reunião dos chefes de diplomacia dos 28, que teve como principal ponto em agenda o conflito na Síria, Margarida Marques apontou que teve oportunidade de dar conta aos seus parceiros de uma "decisão muito recente" do Governo, de contribuir com o montante de 100 mil euros para o chamado "Fundo Madad".

"É uma decisão muito recente que, aliás, lembrámos (hoje), porque alguns países ainda não decidiram, estão em vias de tomar uma decisão, e nós já tomámos uma decisão: participámos com um montante de 100 mil euros", para um fundo que visa dar assistência designadamente no campo da ajuda humanitária na região, disse.

Relativamente à discussão sobre a Síria no Conselho de Negócios Estrangeiros de hoje, a secretária de Estado - que substituiu o ministro Augusto Santos Silva - indicou que "Portugal reafirmou a importância de seguir uma tripla abordagem no conflito".

"Em primeiro lugar, combater o Daesh (acrónimo árabe que designa o grupo extremista Estado Islâmico); em segundo lugar, prosseguir com um processo político tão inclusivo quanto possível; e em terceiro lugar, acudir à tragédia humanitária. E, sobretudo, devem ser tomadas medidas urgentemente no sentido de gerar uma situação de confiança entre as partes, pois estamos consciente de que não existe alternativa a uma solução política inclusiva para a crise da Síria", declarou.

Margarida Marques disse que além de referir a contribuição do Governo português para o fundo da UE de resposta à crise síria, lembrou também "o trabalho que tem sido feito em Portugal, designadamente pelo ex-alto representante da Aliança para as Civilizações, Jorge Sampaio, que criou a plataforma dos estudantes sírios, que tem desenvolvido um trabalho de receção de estudantes sírios e de aceitação desses estudantes por parte das universidades portuguesas".

No contexto deste Conselho dominado pela Síria, teve também lugar um almoço de trabalho com o ministro dos Negócios Estrangeiros da Jordânia, "precisamente para discutir o papel que a Jordânia tem realizado e as formas de apoio" que a UE pode prestar "para que a Jordânia possa continuar a receber um número significativo de refugiados" e para que aqueles que já lá se encontram "possam ter condições de vida razoáveis", completou a secretária de Estado.

Lusa

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46