sicnot

Perfil

Mundo

Portugal contribui com 100 mil € para fundo da UE de resposta à crise síria

Portugal decidiu contribuir com 100 mil euros para o Fundo Fiduciário Regional da União Europeia criado em resposta à crise síria, indicou hoje em Bruxelas a secretária de Estado dos Assuntos Europeus.

Reuters

Reuters

© Ammar Abdullah / Reuters

Em declarações no final de uma reunião dos chefes de diplomacia dos 28, que teve como principal ponto em agenda o conflito na Síria, Margarida Marques apontou que teve oportunidade de dar conta aos seus parceiros de uma "decisão muito recente" do Governo, de contribuir com o montante de 100 mil euros para o chamado "Fundo Madad".

"É uma decisão muito recente que, aliás, lembrámos (hoje), porque alguns países ainda não decidiram, estão em vias de tomar uma decisão, e nós já tomámos uma decisão: participámos com um montante de 100 mil euros", para um fundo que visa dar assistência designadamente no campo da ajuda humanitária na região, disse.

Relativamente à discussão sobre a Síria no Conselho de Negócios Estrangeiros de hoje, a secretária de Estado - que substituiu o ministro Augusto Santos Silva - indicou que "Portugal reafirmou a importância de seguir uma tripla abordagem no conflito".

"Em primeiro lugar, combater o Daesh (acrónimo árabe que designa o grupo extremista Estado Islâmico); em segundo lugar, prosseguir com um processo político tão inclusivo quanto possível; e em terceiro lugar, acudir à tragédia humanitária. E, sobretudo, devem ser tomadas medidas urgentemente no sentido de gerar uma situação de confiança entre as partes, pois estamos consciente de que não existe alternativa a uma solução política inclusiva para a crise da Síria", declarou.

Margarida Marques disse que além de referir a contribuição do Governo português para o fundo da UE de resposta à crise síria, lembrou também "o trabalho que tem sido feito em Portugal, designadamente pelo ex-alto representante da Aliança para as Civilizações, Jorge Sampaio, que criou a plataforma dos estudantes sírios, que tem desenvolvido um trabalho de receção de estudantes sírios e de aceitação desses estudantes por parte das universidades portuguesas".

No contexto deste Conselho dominado pela Síria, teve também lugar um almoço de trabalho com o ministro dos Negócios Estrangeiros da Jordânia, "precisamente para discutir o papel que a Jordânia tem realizado e as formas de apoio" que a UE pode prestar "para que a Jordânia possa continuar a receber um número significativo de refugiados" e para que aqueles que já lá se encontram "possam ter condições de vida razoáveis", completou a secretária de Estado.

Lusa

  • Explosão em restaurante no Canadá causa pelo menos 15 feridos, 3 graves
    0:56

    Mundo

    Pelo menos 15 pessoas ficaram feridas numa explosão em Mississauga, Ontário, no Canadá. Três vítimas estão em estado grave. Os feridos foram levados para o hospital. De acordo com as autoridades, a explosão foi causada por dois homens, com cerca de 20 anos, num restaurante indiano, que fugiram do local depois do ataque. A zona foi evacuada e a polícia está a investigar o caso.

    Em atualização

  • Congresso do PS começa hoje na Batalha

    País

    O 22.º Congresso do PS começa hoje, na Batalha, distrito de Leiria, e durante o qual o secretário-geral, António Costa, deverá defender uma linha de continuidade estratégica, procurando, em simultâneo, projetar desafios estruturais que se colocam ao país.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • Juiz impede acesso a informações bancárias e e-mails de António Mexia
    1:50

    País

    No inquérito crime que investiga a EDP, continua um braço de ferro entre o Ministério Público e o juiz de instrução. O magistrado voltou a negar o acesso a informações bancárias e a e-mails de António Mexia, que constavam dos processos da Operação Marquês e do universo Espírito Santo.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC