sicnot

Perfil

Mundo

Dióxido de carbono pode intoxicar peixes em meados deste século

Em meados deste século, os elevados níveis de dióxido de carbono (CO2) na água do oceano podem deixar os peixes "intoxicados" e desorientados, revela um estudo divulgado esta quarta-feira.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Ricardo Moraes / Reuters

Os oceanos absorvem cerca de um terço do CO2 libertado pela queima de carvão, petróleo e gás, pelo que a sua composição química tem mudado ao longo do tempo, tornando-se mais ácida.

Cientistas da Universidade de New South Wales, na Austrália, calcularam que o aumento das concentrações de CO2 pode causar um fenómeno conhecido por hipercapnia (excesso de CO2 no sangue) nos peixes já em 2050.

Segundo Ben McNeil, principal autor do estudo, com isso, "os peixes ficam perdidos no mar", pois "o dióxido de carbono afeta os seus cérebros e eles perdem o sentido de direção e a capacidade de encontrar o caminho de casa, nem mesmo sabendo onde estão os predadores".

McNeil e o seu colega na investigação, Tristan Sasse, fizeram projeções relativamente ao CO2 para o pior cenário, ou seja, para o caso de os seres humanos nada fazerem para reduzir as emissões.

"Mostramos que, se o dióxido de carbono na atmosfera continuar a aumentar, peixes e outras criaturas marinhas que vivem em pontos de concentração de CO2 nos oceanos Antártico, Pacífico e Atlântico Norte vão enfrentar episódios de hipercapnia em meados deste século - muito mais cedo do que o previsto e com efeitos mais nocivos do que se pensava", disse McNeil.

Para a dupla de cientistas, se a previsão se confirmar, a situação terá impactos profundos na pesca comercial e de subsistência.

No último mês, foi assinado em Paris um pacto sobre o clima para limitar o aquecimento global médio a 2ºCelsius, mediante a redução da emissão de gases com efeito de estufa, entre os quais o CO2.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.