sicnot

Perfil

Mundo

Polícia diz que atentado em Cabul visava uma produtora televisiva

O ataque suicida registado hoje próximo da embaixada da Rússia em Cabul visou o veículo de uma produtora televisiva, para a qual trabalhavam a maioria dos oito mortos e vários dos 28 feridos, anunciou a polícia local.

© Ahmad Masood / Reuters

O porta-voz da polícia de Cabul, Abdul Basir Mujahid, disse aos jornalistas que "o objetivo do ataque era uma carrinha com funcionários da Kaboora Production", tendo nele perdido a vida "sete civis, a maioria trabalhadores da produtora", e o autor do ataque.

Falando sob anonimato à agência espanhola Efe, um funcionário do canal de televisão afegão Tolo TV, para o qual a produtora prestava serviços, disse que vários dos seus colegas "morreram ou ficaram feridos" e que a maioria dos mortos são mulheres, que trabalhavam em produção e desenho gráfico.

Para o chefe de Governo afegão, Abdullah Abdullah, o "ataque a funcionários de grupos da comunicação social do país, que trabalham honesta e imparcialmente em condições difíceis para manter as pessoas informadas, revela a verdadeira face dos talibãs e terroristas".

Em comunicado, Abdullah ordenou às forças de segurança afegãs que assegurem a proteção de todos os jornalistas, investiguem a fundo o ataque - que terá tido lugar com recurso a uma motorizada e ainda não foi reivindicado - e atuem com firmeza contra os seus autores.

Kaboora é uma companhia afegã com cerca de 200 empregados que trabalha para meios de comunicação como a Tolo TV e já prestou serviços a organizações como as Nações Unidas, o Exército, o Parlamento e vários ministérios do Governo afegão, além da embaixada dos Estados Unidos e diversas empresas estrangeiras.

Nas últimas semanas, várias delegações diplomáticas foram atacadas no país, tendo o atentado de hoje ocorrido "perto do recinto da embaixada", ainda que sem causar "danos no interior das instalações" e estando "todos os funcionários em segurança", segundo o gabinete de imprensa da embaixada russa.

Em outubro passado, os talibãs designaram os canais afegãos Tolo TV e TV 1 e os seus funcionários como "alvos militares legítimos", por atuarem como "ferramentas de propaganda dos EUA e do Governo" afegão.

Os meios de comunicação independentes, proibidos pelos talibãs durante o tempo em que controlaram o Afeganistão (1996-2001), multiplicaram-se nos últimos anos, mas a Human Rights Watch já advertiu para o aumento da violência e intimidação contra os jornalistas no país, quer por talibãs, quer por senhores da guerra e até pelo próprio Governo.

Reagindo ao atentado de hoje, a estação televisiva acusou os seus autores de atacarem os funcionários da Tolo por esta ter "exposto os seus crimes" e assegurou que o objetivo de os silenciar "nunca vai ser atingido".

A Tolo havia divulgado que os combatentes talibãs violaram mulheres num albergue feminino em Kunduz, quando o grupo tomou a cidade, em setembro de 2015, ano em que o Afeganistão viveu um dos seus períodos mais sangrentos desde a queda do regime talibã em 2001, com conflitos em curso em várias zonas do território a causarem 1.592 mortos e 3.329 feridos civis só no primeiro semestre do ano.

O ataque de hoje tem lugar dois dias após uma segunda ronda de negociações em Cabul para relançar as negociações com os talibãs, pois delegados de quatro países - Afeganistão, Paquistão, China e Estados Unidos - estiveram reunidos na segunda-feira na capital afegã com vista a negociar o fim de 14 anos de insurgência dos talibãs.

A primeira ronda das negociações havia sido realizada em Islamabad na semana passada, numa tentativa de estabelecer as bases para o diálogo direto entre Cabul e o grupo islâmico, mas os talibãs não se fizeram representar em nenhum dos encontros e os observadores consideram que eles estão a esforçar-se por ganhar terreno agora para obterem maiores concessões em conversações futuras.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.