sicnot

Perfil

Mundo

Opositores haitianos protestam contra apoio dos EUA ao governo

Opositores haitianos concentraram-se hoje frente à embaixada dos EUA em Porto Príncipe, para protestar contra o apoio norte-americano ao governo do Haiti no âmbito da segunda volta das eleições presidenciais, no domingo.

BAHARE KHODABANDE

Para os manifestantes, a atitude dos Estados Unidos piora a situação da democracia no Haiti, pelo que hoje entoaram cânticos contra os EUA e classificaram o presidente Barack Obama e o casal Clinton (o ex-presidente Bill e a ex-secretária de Estado Hillary) de "terroristas", acusando-os de pretenderem roubar as minas de ouro do Haiti.

Oxygen David, um dos líderes do protesto, declarou à agência Efe que, "no domingo, não haverá eleições, ainda que os Estados Unidos queiram impor um presidente ao país".

"Estamos preparados para lutar para defender a soberania do país", afirmou ainda, acusando os norte-americanos de quererem roubar riquezas do território e pôr os haitianos "a lutar entre si", não desejando "paz nem desenvolvimento" para o Haiti.

A três dias das eleições, persiste a incerteza sobre se o ato se realizará ou se - como foi recomendado pelo Senado e como pede a oposição - a ida às urnas será de novo adiada, até que as alegações de fraude na primeira volta, a 25 de outubro, sejam investigadas.

A posição da comunidade internacional, que apoia a realização da segunda volta sem que tenham sido aplicadas as recomendações do comité designado para investigar as suspeitas de fraude, foi duramente criticada pelo grupo de opositores haitianos denominado G8, liderado pelo candidato Jude Celestin.

Esta manhã, tanto o primeiro-ministro, Evans Paul, como o Presidente, Michel Martelly, insistiram em que tudo está pronto para a segunda volta das presidenciais, embora tenham deixado a porta aberta para um eventual adiamento.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • CDS avança com moção de censura ao Governo

    País

    A líder do CDS anunciou hoje que o partido vai apresentar uma moção de censura ao Governo, na sequência dos incêndios que fizeram 37 mortos desde domingo, quatro meses depois da tragédia de Pedrógão Grande.

    Em atualização

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • Há uma semana que as florestas ardem na Califórnia
    1:34