sicnot

Perfil

Mundo

Polícia moçambicana sem informações sobre caso de dirigente da Renamo baleado

A Polícia moçambicana confirmou hoje o baleamento do secretário-geral da Renamo, Manuel Bissopo, na quarta-feira na Beira, centro de Moçambique, mas não tem ainda pistas dos atiradores, disse o porta-voz da corporação.

ANT\303\223NIO SILVA

Daniel Macuácua, porta-voz do comando da Polícia de Sofala, afirmou em conferência de imprensa que indivíduos desconhecidos e transportados em viaturas não identificadas dispararam três tiros de arma automática AKM contra a viatura Nissan Hardbody conduzida por Bissopo, ferindo o secretário-geral da Renamo e matando o seu segurança.

"[Manuel Bissopo] foi atingido nos membros superiores e inferiores", clarificou Daniel Macuácua, acrescentando que, depois de ter sido ferido, o secretário-geral da Renamo, continuou com o carro em marcha até à sede da delegação provincial do partido, na Ponta Gea, na Beira, de onde foi depois transportado para uma clínica privada.

Sobre a demora na evacuação da vítima mortal do tiroteio, Danuel Macuáca disse que se deveu ao tempo para se constituir a equipa multissetorial, que reúne a Polícia de Investigação Criminal (PIC), um médico legista e o procurador de piquete.

Questionado sobre a presença em grande escala da polícia no perímetro dos locais onde decorriam atividades da Renamo, incluindo o da conferência de imprensa que Bissopo realizou antes de ser baleado, Daniel Macuácua respondeu que "a presença da Polícia na via publica é de 24 horas por dia, para prevenir crimes", negando a presença de agentes a escassos metros do cenário do crime, segundo relatos de testemunhas.

Entretanto a Polícia, disse, continua a trabalhar para esclarecer o crime, que inclui as motivações do ataque, adiantando que todas as equipas especializadas estão no terreno.

O quadro clinico de Manuel Bissopo foi descrito hoje como "estacionário", segundo o porta-voz do partido, António Muchanga, depois de quarta-feira ter sido classificado como "preocupante", exigindo tratamento "intensivo e especial".

Ao contrário de informações que davam conta de que Bissopo tinha sido atingido no bairro da Munhava, um bastião da oposição, o incidente ocorreu no bairro da Ponta Gea, centro da Beira, após uma conferência de imprensa para denunciar alegados raptos e assassínios de quadros da Renamo.

Segundo jornalistas locais ouvidos pela Lusa, os atiradores, que se faziam transportar em duas viaturas, bloquearam o carro em que seguia Bissopo e abriram fogo

O guarda-costas do secretário-geral morreu no local, tendo outros que seguiam na viatura sofrido ferimentos ligeiros.

O porta-voz disse que a polícia está preocupada com a presença de armas de fogo e de guerra em mãos de pessoas alheias na província de Sofala.

Moçambique vive uma situação de incerteza política há vários meses e o líder da Renamo ameaça tomar o poder em seis províncias do norte e centro do país, onde o movimento reivindica vitória nas eleições gerais de 2014.

Afonso Dhlakama não é visto em público desde 09 de outubro, quando a sua residência na Beira foi invadida pela polícia, que desarmou e deteve, por algumas horas, a sua guarda.

Nos pronunciamentos públicos que tem feito nos últimos dias, Dhlakama afirma ter voltado para Sadjundjira, distrito de Gorongosa, mas alguns círculos questionam a fiabilidade dessa informação, tendo em conta uma alegada forte presença das forças de defesa e segurança moçambicanas nessa zona.

A Renamo pediu recentemente a mediação do Presidente sul-africano, Jacob Zuma, e da Igreja Católica para o diálogo com o Governo e que se encontra bloqueado há vários meses.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, tem reiterado a sua disponibilidade para se avistar com o líder da Renamo, mas Afonso Dhlakama considera que não há mais nada a conversar depois de a Frelimo ter chumbado a revisão pontual da Constituição para acomodar as novas regiões administrativas reivindicadas pela oposição.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.