sicnot

Perfil

Mundo

Corpo de português morto no Burkina Faso trasladado para França

Os corpos de um português e outros três europeus mortos a 15 de janeiro num atentado no Burkina Faso chegaram hoje a França, noticiou a AFP, citando fontes aeroportuárias.

Atentado no Burkina Faso causou 29 vitimas mortais e 30 feridos

Atentado no Burkina Faso causou 29 vitimas mortais e 30 feridos

© Joe Penney / Reuters


Os corpos de dois franceses, um português residente em França e de um holandês chegaram pouco depois das 06:00 locais (05:00 em Lisboa) ao aeroporto parisiense Roissy-Charles de Gaule, num voo da companhia aérea Air France procedente da capital do Burkina Faso, Ouagadougou, segundo as fontes citadas pela agência AFP.

Fonte da Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas disse à Lusa na última quinta-feira que o corpo do português seria trasladado para França esta semana e que o Governo não tinha, até então, indicação se seria enviado para Portugal.

O cidadão português tinha 51 anos e era emigrante em França, sendo casado com uma cidadã francesa e pai de quatro filhos.

O ataque de um comando 'jihadista', em Ouagadougou, contra um hotel e um restaurante, frequentados por estrangeiros, causou 29 vítimas mortais e 30 feridos.

No hotel onde se verificou o ataque estava um outro cidadão português, consultor da União Europeia, que saiu ileso, segundo fonte da secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas, salientando que esta informação foi recolhida pelos serviços consulares de Portugal no Senegal.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.