sicnot

Perfil

Mundo

Humorista italiano Beppe Grillo abandona a política

O humorista italiano Beppe Grillo, fundador do Movimento 5 Estrelas (M5E), anunciou que vai deixar a política para regressar aos espetáculos, mas o partido que fundou assegura que vai manter os mesmos princípios.

Grillo anunciou a saída da política, que descreveu como uma "doença mental", para voltar à sua profissão, humorista. (Arquivo)

Grillo anunciou a saída da política, que descreveu como uma "doença mental", para voltar à sua profissão, humorista. (Arquivo)

© Remo Casilli / Reuters

"O movimento cidadão fundado por Beppe Grillo caminha por si próprio, sempre o soubemos. Os nossos princípios e as nossas propostas vão continuar a ser os mesmos", disse à agência EFE o deputado do M5E Alessandro Di Battista.

Grillo anunciou a saída da política, que descreveu como uma "doença mental", para voltar à sua profissão, humorista, numa entrevista ao diário italiano Corriere dela Sera publicada no domingo.

"Regresso à liberdade de cómico", disse Grillo ao jornal. "Não me estou a afastar [do M5E], estou apenas a dar um passo para o lado (...) para recuperar a minha liberdade", afirmou noutro passo.

O cómico começou a afastar-se da primeira linha política há um ano, quando em novembro de 2014 os militantes do movimento aprovaram a criação de uma direção constituída por cinco pessoas, uma das quais Battista.

O humorista admitiu na altura que o movimento exigia "uma estrutura de representação mais ampla" porque ele se sentia "cansado".

Beppe Grillo, 68 anos, revolucionou o panorama político em Itália em 2009 com a criação do Movimento 5 Estrelas, ao qual nunca quis chamar partido.

Nas eleições legislativas de 2013, tornou-se a terceira força política mais votada, com 25,56%. Caracterizado por observadores como eurocético e populista, o M5E soube capitalizar o mal-estar social e forçou mudanças na orientação dos partidos políticos tradicionais para dar resposta aos protestos.

O M5E sofreu contudo desde então uma quebra acentuada de apoio popular e viu-se recentemente envolvido numa polémica a propósito de declarações da presidente da câmara de Quarto (sul), militante do movimento, que se disse ameaçada por um vereador do mesmo partido com ligações à máfia local.

A polémica, segundo Di Battista, nada tem a ver com o afastamento de Grillo. "Não houve escândalo nenhum. O Partido Democrático [do primeiro-ministro, Matteo Renzi], para distrair a opinião pública, organizou um ataque sem precedentes contra um movimento político que se comporta de maneira perfeita", considerou.

A decisão de Grillo, por outro lado, "não surpreendeu os militantes", assegurou o deputado. "É um processo normal, já antes tínhamos afirmado que assumíamos as responsabilidades de forma horizontal. Grillo disse que queria retirar o seu nome do movimento e agora veio a sua declaração. Não é nada de novo", disse.

"Houve muita gente que disse que ele era o líder máximo do movimento, mas ele sempre disse que o movimento caminha por si próprio", acrescentou.

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC