sicnot

Perfil

Mundo

Humorista italiano Beppe Grillo abandona a política

O humorista italiano Beppe Grillo, fundador do Movimento 5 Estrelas (M5E), anunciou que vai deixar a política para regressar aos espetáculos, mas o partido que fundou assegura que vai manter os mesmos princípios.

Grillo anunciou a saída da política, que descreveu como uma "doença mental", para voltar à sua profissão, humorista. (Arquivo)

Grillo anunciou a saída da política, que descreveu como uma "doença mental", para voltar à sua profissão, humorista. (Arquivo)

© Remo Casilli / Reuters

"O movimento cidadão fundado por Beppe Grillo caminha por si próprio, sempre o soubemos. Os nossos princípios e as nossas propostas vão continuar a ser os mesmos", disse à agência EFE o deputado do M5E Alessandro Di Battista.

Grillo anunciou a saída da política, que descreveu como uma "doença mental", para voltar à sua profissão, humorista, numa entrevista ao diário italiano Corriere dela Sera publicada no domingo.

"Regresso à liberdade de cómico", disse Grillo ao jornal. "Não me estou a afastar [do M5E], estou apenas a dar um passo para o lado (...) para recuperar a minha liberdade", afirmou noutro passo.

O cómico começou a afastar-se da primeira linha política há um ano, quando em novembro de 2014 os militantes do movimento aprovaram a criação de uma direção constituída por cinco pessoas, uma das quais Battista.

O humorista admitiu na altura que o movimento exigia "uma estrutura de representação mais ampla" porque ele se sentia "cansado".

Beppe Grillo, 68 anos, revolucionou o panorama político em Itália em 2009 com a criação do Movimento 5 Estrelas, ao qual nunca quis chamar partido.

Nas eleições legislativas de 2013, tornou-se a terceira força política mais votada, com 25,56%. Caracterizado por observadores como eurocético e populista, o M5E soube capitalizar o mal-estar social e forçou mudanças na orientação dos partidos políticos tradicionais para dar resposta aos protestos.

O M5E sofreu contudo desde então uma quebra acentuada de apoio popular e viu-se recentemente envolvido numa polémica a propósito de declarações da presidente da câmara de Quarto (sul), militante do movimento, que se disse ameaçada por um vereador do mesmo partido com ligações à máfia local.

A polémica, segundo Di Battista, nada tem a ver com o afastamento de Grillo. "Não houve escândalo nenhum. O Partido Democrático [do primeiro-ministro, Matteo Renzi], para distrair a opinião pública, organizou um ataque sem precedentes contra um movimento político que se comporta de maneira perfeita", considerou.

A decisão de Grillo, por outro lado, "não surpreendeu os militantes", assegurou o deputado. "É um processo normal, já antes tínhamos afirmado que assumíamos as responsabilidades de forma horizontal. Grillo disse que queria retirar o seu nome do movimento e agora veio a sua declaração. Não é nada de novo", disse.

"Houve muita gente que disse que ele era o líder máximo do movimento, mas ele sempre disse que o movimento caminha por si próprio", acrescentou.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.