sicnot

Perfil

Mundo

Oposição venezuelana quer declarar "crise humanitária" por falta de medicamentos

O partido Um Novo Tempo (UNT) pediu esta segunda-feira ao Parlamento venezuelano, de maioria opositora, que declare o estado de "crise humanitária" devido à falta de medicamentos e que seja criada uma comissão parlamentar para encontrar soluções a esta situação.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Bogdan Cristel / Reuters

O pedido foi feito em Caracas pelo secretário de UNT, Carlos Valero, durante uma conferência de imprensa em que participou também o presidente da Federação Farmacêutica de Venezuela (FFV), Freddy Ceballos.

Segundo Carlos Valero, apesar de nos últimos anos a Venezuela ter registado elevadas receitas provenientes de petróleo, regista escassez até em medicamentos que a Organização Mundial da Saúde considera de "acesso obrigatório, incluindo em condições de guerra".

"Em cada dez medicamentos que os venezuelanos procuram, apenas podem conseguir dois. Em janeiro (de 2016) havia apenas sete milhões de unidades de medicamentos nas 'drogarias' (farmácias do país), quando deveria haver 45 milhões", disse, vincando que existem falhas inclusive em materiais para exames de sangue rotineiros.

Por outro lado, o presidente da FFV, Freddy Ceballos, explicou aos jornalistas que na Venezuela "há uma situação nunca antes vista".

"Há 80% de falhas no abastecimento de medicamentos. Não se conseguem medicamentos para diversas terapias. Antes, quando as falhas eram de 15%, havia alerta no grémio farmacêutico, mas a situação de agora é muito grave e mais ainda se o Governo não toma medidas", disse.

Segundo aquele responsável, há "pacientes que estão a morrer, lamentavelmente, pela falta de medicamentos, e não há matéria prima porque o Estado não aceita o que acontece no país".

"Evidentemente, temos de denunciar o que está acontecendo", enfatizou.

Por outro lado, explicou que a Venezuela deve quatro mil milhões de dólares ao setor farmacêutico, por conceito de importações.

Lusa

  • Meryl Streep mais uma vez candidata a um Óscar

    Óscares 2017

    Aos 67 anos, Meryl Streep soma mais uma nomeação para aqueles que são os prémios mais cobiçados de Hollywood. A atriz foi nomeada pela interpretação em "Florence, Uma Diva Fora de Tom". Esta é vigésima vez que a Academia reconhece o trabalho da atriz, que já levou o Óscar para casa três vezes.

    Miguel Domingos

  • Polanski recusa presidir aos "César" por caso de violação em 1977
    1:55

    Cultura

    Roman Polanski já não vai presidir à cerimónia dos prémios César, o equivalente aos Óscares em França. A decisão de se afastar foi tomada esta terça-feira pelo próprio cineasta, na sequência da polémica em que se viu envolvido assim que foi convidado. Em 1977, Polanski foi acusado de ter violado uma adolescente de 13 anos, na Califórnia, declarando-se culpado. O realizador foi agora pressionado por associações feministas, redes sociais e pela ministra francesa dos direitos das mulheres. O diretor do Festival de Cannes Thierry Fremaux diz que falou com o realizador e acha que não é necessário "adicionar mais problemas ao problema".

  • Marcelo quer fazer mais e melhor
    0:48
  • "Andem lá com isso!"
    0:42
  • "A Miss Helsínquia é a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza"

    Mundo

    Sephora Lindsay Ikabala venceu o concurso Miss Helsínquia 2017 e, desde então, tem vindo a ser insultada e criticada nas redes sociais. A nigeriana de 19 anos vive na cidade desde criança. "A Miss Helsínquia é literalmente a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza", é apenas um dos muitos comentários que circula nas redes sociais.