sicnot

Perfil

Mundo

Agricultores gregos prosseguem protesto e recusam reunião com o Governo

Os agricultores gregos rejeitaram hoje reunir-se com o primeiro-ministro Alexis Tsipras para discutir a reforma fiscal e das pensões anunciada pelo Governo e exigiram a retirada prévia das medidas, que incluem o fim de diversas isenções fiscais.

© Alexandros Avramidis / Reuter

A decisão foi comunicada por um representante dos agricultores, que decidiram não aceitar a proposta de diálogo de Tsipras, que num discurso no domingo admitiu alterar alguns dos aspetos mais rígidos da reforma e suavizá-la para os mais jovens.

Os agricultores pedem o fim das disposições da lei que aumentam o seu imposto sobre o rendimento de 13% para 20% em 2016 e até 26% a partir de 2017.

O caderno reivindicativo também exige que o Executivo renuncie a acabar com um conjunto de isenções fiscais e que os restantes partidos no parlamento também se comprometam a rejeitar estas medidas.

Milhares de agricultores gregos estão a cumprir uma semana de protestos, com os seus tratores a bloquearem estradas e vias rápidas em todo o país.

O projeto de reforma das pensões, que ainda não mereceu a aprovação dos credores internacionais, vai ser discutido hoje no parlamento. O projeto do Governo prevê igualar as cotizações para a Segurança Social de agricultores e trabalhadores independentes às dos assalariados, até 26,95% do seu salário bruto.

O terceiro resgate assinado com o quarteto de credores internacionais (Comissão Europeia, Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Mecanismo Europeu de Estabilidade) prevê que o Governo grego liderado pelo partido de esquerda Syriza se comprometa a economizar no sistema de pensões 1% do PIB anual, equivalente a 1.800 milhões de euros.

Lusa

  • Agricultores gregos em protesto contra novo sistema de pensões
    2:03

    Mundo

    Os agricultores gregos aumentam os protestos contra a nova reforma do sistema de pensões na Grécia. Depois do primeiro-ministro Alexis Tsipras ter vindo defender que é preciso alterar esta medida, acordada com os credores internacionais, os sindicatos fizeram saber que não vão parar a série de bloqueios de estradas pelo país.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.