sicnot

Perfil

Mundo

EUA recordam explosão do vaivém Challenger na preparação para ida a Marte

A agência espacial norte-americana (NASA) assinalou esta quinta-feira os 30 anos da explosão do vaivém espacial Challenger com a promessa de não esquecer os astronautas perdidos enquanto se concentra na missão tripulada a Marte.

Seis astronautas da NASA e Christa McAuliffe - que teria sido a primeira professora no espaço - morreram no desastre do Challenger, que explodiu 73 segundos após a partida, devido a uma falha num motor impulsionador.

Seis astronautas da NASA e Christa McAuliffe - que teria sido a primeira professora no espaço - morreram no desastre do Challenger, que explodiu 73 segundos após a partida, devido a uma falha num motor impulsionador.

BRUCE WEAVER / AP

No Centro Espacial Kennedy, na Flórida, de onde o vaivém partiu a 28 de janeiro de 1986, cantores interpretaram o hino nacional dos EUA para uma multidão que incluía parentes e amigos das sete pessoas que morreram nesse dia.

Segundo Bob Cabana, antigo astronauta e atual diretor do Centro Espacial Kennedy, a tripulação do Challenger "nunca será esquecida" e "continuará a motivar" aqueles que agora exploram o espaço.

Para o cemitério nacional de Arlington, na Virgínia, foi planeada a deposição de uma coroa de flores, como forma de a NASA assinalar as 24 vidas perdidas em desastres espaciais e voos de teste ao longo dos anos.

"À medida que empreendermos uma viagem a Marte, eles estarão connosco. Têm o nosso respeito, amor e gratidão eternos", declarou Charles Bolden, ex-astronauta e administrador da NASA.

Seis astronautas da NASA e Christa McAuliffe - que teria sido a primeira professora no espaço - morreram no desastre do Challenger, que explodiu 73 segundos após a partida, devido a uma falha num motor impulsionador.

Outro acidente grave teve lugar a 1 de fevereiro de 2003, quando sete pessoas morreram a bordo do vaivém espacial Columbia, que se desintegrou ao reentrar na atmosfera terrestre, a 16 minutos da aterragem, devido a um rombo numa asa.

A agência espacial norte-americana assinalou também a perda, em 1967, de três homens no incêndio da nave Apollo 1, e de Mike Adams, num acidente com um avião X-15, bem como de "todos os que pereceram em voos de teste e na pesquisa aeronáutica ao longo da história".

Pouco depois de assumir o cargo, o presidente dos EUA, Barack Obama, cancelou um programa da agência espacial para regressar à lua com vista a canalizar recursos para a exploração do espaço profundo - no âmbito da qual a NASA se tem concentrado na construção da cápsula Orion - e para ter uma missão humana a Marte em curso por volta de 2030.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.