sicnot

Perfil

Mundo

Sem vinho não há almoço

O almoço entre o Presidente francês, François Hollande e o homólogo iraniano foi cancelado. O problema foi o vinho. O islão proibe o consumo de álcool e o presidente iraniano cumpre a regra à risca. Ora, o gabinete do presidente francês, entendeu que uma refeição sem vinho punha em causa os valores republicanos.

© Charles Platiau / Reuters

Estava tudo a postos para um almoço de luxo num restaurante famoso da capital francesa, Paris, mas foi cancelado.

Os assessores do presidente Hollande explicaram que servir uma refeição "amiga do Irão" punha em causa os valores republicanos franceses,

Ora, Hassan Rouhani, tal como manda o islão, não bebe bebidas alcoólicas, estão proibidas.

O anfitrião ainda terá sugerido um pequeno-almoço, de forma a evitar as bebidas alcoólicas, mas a comitiva do Presidente iraniano terá considerado a alternativa fraca.

Assim sendo nem almoço, jantar ou pequeno-almoço. Nada que pareça incomodar o Presidente do Irão que, por estes dias, está mais interessado em alimentar o país com negócios de milhões.

Recorde-se que o ministro dos Transportes iraniano, Abbas Akhoundi, anunciou que seria assinado um contrato para a compra de 114 Airbus.

.

  • Presidente do Irão visita França na primeira visita oficial à Europa
    2:05

    Mundo

    O presidente do Irão já está em Paris onde termina a primeira visita oficial à Europa. A passagem por Itália não foi pacífica. Na noite do encontro com o primeiro-ministro italiano, no museu Capitolini, as estátuas dos Deuses romanos foram tapadas com panéis. O responsável do museu diz que a decisão foi tomada pelo protocolo do primeiro-ministro para que o Presidente do Irão não fosse confrontado com a nudez das esculturas clássicas, o que gerou indignação por parte da opinião pública.

  • TAP recruta mais assistentes de bordo
    2:40

    Economia

    A TAP assegura que, até ao final de outubro, os problemas com falta de tripulação vão terminar. Até ao final do ano vão ser contratados novos assistentes de bordo, mas o sindicato diz que não chega.