sicnot

Perfil

Mundo

Transplante dá nova vida a diabética com fobia de agulhas

Uma paciente britânica tornou-se a primeira pessoa do mundo a ser submetida a transplante do pâncreas devido a fobia grave de agulhas. Sue York, com diabetes tipo 1, sofria de tremores intensos e vómitos cada vez que tinha de ministrar uma injeção de insulina. Aos 55 anos, esta mulher ganhou uma nova vida e agradece "do fundo do coração" à equipa médica responsável pela sua cirurgia.

BBC/ Victoria Derbyshire programme

Os médicos do Manchester Royal Infirmary, onde Sue York foi transplantada, afirmam que a esperança de vida de Sue York duplicou.

A operação "alterou por completo a minha vida (…) Deixei de me sentir constantemente cansada. O meu tom de pele deixou de ser amarelo ou cinzento. Eram demasiadas agulhas...", afirmou Sue York profundamente aliviada, em entrevista ao programa Victoria Derbyshire da cadeia britânica BBC.

O processo que levou à decisão de submeter Sue a um transplante de pâncreas foi demorado. Foram precisos dois anos, durante os quais a paciente foi várias vezes sujeita à avaliação de um grupo de médicos que questionou até que ponto a sua fobia de agulhas seria suficientemente válida. Sue não sofria de qualquer insuficiência renal ou outra das habituais complicações que contribuem para decidir pelo transplante, o que fez os médicos vacilarem.

Sue York disse que a sua fobia de agulhas atingiu um ponto crítico em 2012, quando as indicações para diabéticos passaram a exigir recolhas de sangue mais frequentes. Ela tentou hipnose e outras terapias para tratar a sua fobia grave de agulhas, mas sem qualquer sucesso. As imprescindíveis injeções de insulina chegavam a demorar 20 minutos.

No programa da BBC, Sue York deixou ainda uma mensagem de esperança aos muitos diabéticos dependentes de insulina que sofrem, como ela sofria, de profunda fobia de agulhas.

  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Aprovadas mudanças no acesso ao ensino superior

    País

    O Governo aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, bem como os princípios orientadores da avaliação, voltando a nota de Educação Física a contar para a média de acesso ao ensino superior. No caso dos alunos do ensino profissional, são eliminados requisitos considerados discriminatórios no acesso ao ensino superior.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC