sicnot

Perfil

Mundo

Transplante dá nova vida a diabética com fobia de agulhas

Uma paciente britânica tornou-se a primeira pessoa do mundo a ser submetida a transplante do pâncreas devido a fobia grave de agulhas. Sue York, com diabetes tipo 1, sofria de tremores intensos e vómitos cada vez que tinha de ministrar uma injeção de insulina. Aos 55 anos, esta mulher ganhou uma nova vida e agradece "do fundo do coração" à equipa médica responsável pela sua cirurgia.

BBC/ Victoria Derbyshire programme

Os médicos do Manchester Royal Infirmary, onde Sue York foi transplantada, afirmam que a esperança de vida de Sue York duplicou.

A operação "alterou por completo a minha vida (…) Deixei de me sentir constantemente cansada. O meu tom de pele deixou de ser amarelo ou cinzento. Eram demasiadas agulhas...", afirmou Sue York profundamente aliviada, em entrevista ao programa Victoria Derbyshire da cadeia britânica BBC.

O processo que levou à decisão de submeter Sue a um transplante de pâncreas foi demorado. Foram precisos dois anos, durante os quais a paciente foi várias vezes sujeita à avaliação de um grupo de médicos que questionou até que ponto a sua fobia de agulhas seria suficientemente válida. Sue não sofria de qualquer insuficiência renal ou outra das habituais complicações que contribuem para decidir pelo transplante, o que fez os médicos vacilarem.

Sue York disse que a sua fobia de agulhas atingiu um ponto crítico em 2012, quando as indicações para diabéticos passaram a exigir recolhas de sangue mais frequentes. Ela tentou hipnose e outras terapias para tratar a sua fobia grave de agulhas, mas sem qualquer sucesso. As imprescindíveis injeções de insulina chegavam a demorar 20 minutos.

No programa da BBC, Sue York deixou ainda uma mensagem de esperança aos muitos diabéticos dependentes de insulina que sofrem, como ela sofria, de profunda fobia de agulhas.

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.