sicnot

Perfil

Mundo

Cães ou gatos? Qual deles gosta mais de nós?

Um documentário que vai ser emitido na BBC2 intitulado "Cães vs Gatos" junta um especialista em animais Chris Packham e Liz Bonnin, neurocientista. Juntos descobriram qual destes animais gosta mais dos donos.

© Neil Hall / Reuters

Um documentário que vai ser emitido na BBC2 intitulado "Cães vs Gatos"

Um documentário que vai ser emitido na BBC2 intitulado "Cães vs Gatos"

Já se sabe que, à semelhança do homem, os cães libertam oxitocina, a hormona do amor. No entanto, este teste nunca foi realizado em gatos.

"É uma das formas de medir quimicamente o amor entre mamíferos. Os seres humanos produzem uma hormona no cérebro quando gostam de alguém. Quando vemos o nosso marido/mulher ou os nossos filhos a tensão arterial aumenta entre 40 a 60%".

"Que os cães gostam muito dos seus donos, disso não há dúvidas" explica Paul Zak um dos especialistas que conduziu o estudo. Faltava saber, com exatidão, quanto.

Então, os neurocientistas decidiram medir os níveis de oxitocina libertados pelos cães e agora, pela primeira vez, em gatos antes e depois de interagirem com os donos.

Recolheram saliva de 10 gatos e 10 cães em duas situações distintas: dez minutos antes da brincadeira e segundos após a interação com os donos. De seguida verificaram a quantidade de oxitocina libertada.

Resultado: os cães apresentam um aumento de 57,2% e os gatos apenas 12%. Em teoria, dizem os especialistas, isto pode querer dizer que os cães gostam mais dos seus donos que os gatos.

"Fiquei surpreendido quando verifiquei que os cães produzem níveis tão elevados de oxitocina. O aumento de 57,2% nos cães é uma resposta muito poderosa. Revela que os cães gostam mesmo dos seus donos. É também surpreendente perceber que os gatos também produzem oxitocina", diz Paul Zak.

Há estudos que revelam que os gatos não gostam dos donos e este estudo, pelo menos, prova o contrário.

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.