sicnot

Perfil

Mundo

Indonésia lança programa contra radicalização após atentado do Daesh

A Indonésia anunciou hoje ter encomendado a sete ministérios a tarefa de realizar um programa para acabar com a radicalização em todo o país, semanas depois do ataque em Jacarta por membros locais do grupo extremista Daesh.

reuters

Durante a aplicação do programa, os ministérios, incluindo as pastas da Educação e Cultura, Leis e Direitos Humanos e Assuntos Religiosos, vão analisar temas como a orientação religiosa, psicologia, educação e a formação profissional.

"O plano de levar a cabo um programa para acabar com a radicalização nunca se realizou antes" na Indonésia, o país com a maior população muçulmana do mundo, apontou o ministro da Segurança, Luhut Panjaitan, segundo o Channel News Asia.

A 14 de janeiro, presumíveis 'jihadistas' do Estado Islâmico lançaram um atentado num bairro central da capital indonésia, Jacarta.

Oito pessoas morreram no ataque, incluindo quatro terroristas, e mais de uma dezena ficaram feridas.

Segundo a polícia, os atacantes tinham a sua base na localidade de Solo, em Java central, e atuaram sob o comando de Bahrun Naim, um indonésio que se encontra na Síria a apoiar a luta do movimento extremista.

Especialistas em segurança acreditam que o ataque faz parte da tentativa do Estado Islâmico de se estabelecer na Indonésia.

As autoridades estimam que cerca de meio milhar de indonésios tenha viajado para a Síria e para o Iraque para combater nas fileiras do EI, dos quais uma centena terá regressado ao país.

  • Tragédia de Vila Nova da Rainha foi há uma semana
    7:18
  • Escutas da Operação Marquês "não podem servir de prova"
    1:36

    Operação Marquês

    As defesas de José Sócrates e de Ricardo Salgado queixam-se que as escutas do processo Marquês estão infetadas por um vírus informático. Os advogados dizem que tal como estão as escutas não podem servir de prova. No entanto, o Ministério Público diz que estão reunidas as condições para começar a contar o prazo para a abertura de instrução.

    Luís Garriapa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Admirável mundo novo
    16:17