sicnot

Perfil

Mundo

ONU adverte para eventual fracasso das negociações de paz na Síria

O enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, advertiu na terça-feira para a possibilidade de um "fracasso" das negociações de paz que decorrem em Genebra, cujo início ficou marcado pela dificuldade de reunir os beligerantes.

Escombros após ataque atribuído à força aérea russa em Douma, síria.

Escombros após ataque atribuído à força aérea russa em Douma, síria.

© Bassam Khabieh / Reuters

Apesar de o emissário das Nações Unidas ter declarado oficialmente lançadas as negociações, o dia de terça-feira deu uma imagem de confusão, ilustrando o fosso entre a diplomacia e a realidade no terreno.

Por um lado, o regime sírio afirmou não dispor de qualquer parceiro para negociar, enquanto, por outro, a oposição exigiu medidas imediatas em prol dos civis e também acusou a comunidade internacional de ser "cega" relativamente à tragédia.

Staffan de Mistura alertou, por isso, para um eventual malogro em Genebra, após cinco anos de conflito.

"Se houver um fracasso desta vez (...) não haverá mais esperança", declarou à rádio e televisão suíças.

A delegação do regime de Damasco reuniu-se, ao longo de mais de duas horas, com o emissário das Nações Unidas, que, na segunda-feira, se encontrou com a oposição.

No entanto, à saída da reunião, o embaixador sírio junto das Nações Unidas, Bashar al-Jaafari, chefe da delegação, travou as esperanças relativamente a um rápido arranque nas negociações.

"Estamos ainda na fase preparatória (...). Estamos à espera de saber com quem vamos negociar e qual a ordem do dia", declarou, repetindo que a outra parte "não é séria", pois "não trata as questões como políticos profissionais".

A delegação do Alto Comité de Negociações (HCN), uma coligação de opositores do regime do Presidente sírio, Bashar Al-Assad, teceu, por seu turno, fortes críticas a Damasco e aos seus aliados, que consideram como "terroristas" alguns dos seus membros.

A oposição síria decidiu na terça-feira não participar numa reunião agendada para Genebra com o enviado especial da ONU, em jeito de protesto contra o agravamento da situação no país.

O conflito na Síria, que começou com protestos pacíficos em março de 2011 que resvalaram para uma guerra civil, já provocou mais de 260 mil mortos, o desenraizamento de mais de metade da população e arruinou o país.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), que assenta numa larga rede de fontes no país, assegurou que 260.758 pessoas foram mortas entre março de 2011 e 31 de dezembro de 2015, na sua maioria combatentes, com as baixas civis a excederem a 76 mil.

Estes totais excluem os milhares que desapareceram, designadamente nas infames prisões sírias, e as centenas de lealistas que desapareceram às mãos dos grupos rebeldes radicais, incluindo o autoproclamado Estado Islâmico.

Lusa

  • Samaris suspenso por três jogos

    Desporto

    O internacional grego do Benfica Samaris foi castigado com três jogos de suspensão pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, após ter sido instaurado um auto de flagrante delito por parte da Comissão de Instrutores.

    Em atualização

  • Costa de Metro de Odivelas para Lisboa para relembrar corrida entre burro e Ferrari
    2:55

    Autárquicas 2017

    António Costa começou hoje o dia de campanha em Odivelas, para uma viagem de Metro até Lisboa, em que recordou a célebre corrida entre um burro e um Ferrari que protagonizou em 1993 quando foi canditado do PS à Câmara de Loures. Foi nesta cidade, onde ontem à noite, que desferiu um violento ataque a Pedro Passos Coelho, acusando-o de transformar o PSD num partido que não é digno de um Estado democrático.

  • O aeroporto de Beja, um "elefante branco" na planície alentejana
    4:33
  • Paciente há 15 anos em estado vegetativo consegue seguir objetos e mexer a cabeça

    Mundo

    Um homem de 35 anos, que ficou em estado vegetativo após um acidente de viação há 15 anos, deu sinais de consciência depois de lhe ter sido aplicada uma nova técnica de estimulação nervosa. Cirurgiões implantaram no paciente um pequeno aparelho que estimula o nervo vago, responsável pela ligação nervosa entre o cérebro e o resto do corpo. A intervenção aconteceu em França e a descoberta foi publicada na revista científica Current Biology.