sicnot

Perfil

Mundo

Tunísia conclui barreira na fronteira com a Líbia

A Tunísia concluiu este sábado a construção de uma barreira ao longo da fronteira com a Líbia, meses depois dos ataques perpetrados contra um museu e uma estância turística que causaram dezenas de mortos.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Zohra Bensemra / Reuters

O ministro da Defesa tunisino, Farhat Horchani, disse aos jornalistas que a construção de bermas e valas inundadas de água marca "um dia importante" para a Tunísia na luta contra "o terrorismo".

Dois atentados terroristas reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI), no ano passado, mataram 59 turistas estrangeiros e responsáveis tunisinos afirmaram que os atacantes receberam treino na Líbia, onde o EI está muito ativo.

"A Tunísia é capaz de lutar contra o terrorismo ativa e eficientemente", disse Horchani, durante uma inspeção da barreira.

A Líbia vive uma situação de caos devido à guerra civil que se seguiu à revolução de 2011. Desde as últimas eleições, o país tem dois governos, um, em Tobruk, reconhecido pela comunidade internacional e outro, em Tripoli, apoiado por milícias tribais.

A infraestrutura estende-se ao longo de cerca de 200 quilómetros, entre Ras Jedir, na costa mediterrânica, e Dhiba, a sudoeste, ou seja, metade do comprimento da fronteira entre os dois países vizinhos.

Horchai afirmou que a segunda fase do projeto inclui a instalação de equipamento eletrónico, com a ajuda da Alemanha e dos Estados Unidos.

O responsável acrescentou que a barreira, que as autoridades da Tunísia designam como "sistema de obstáculos", já "provou a sua eficiência".

"Em várias ocasiões travámos e detivemos pessoas que estavam a contrabandear armas", disse.

Em março passado, 21 turistas e um agente da polícia foram mortos num ataque armado contra o museu Bardo, em Tunes. Em junho, um ataque numa estância turística perto de Sousse matou 38 turistas, incluindo uma portuguesa.

O EI também reivindicou um atentado suicida em Tunes, em novembro, no qual morreram 12 guardas presidenciais.

Na altura, o ministro do Interior tunisino afirmou que o explosivo usado no ataque era idêntico aos utilizados no fabrico de cintos explosivos na Líbia, e que tinham sido apreendidos no ano passado.

Na sequência do atentado de novembro, a Tunísia encerrou a fronteira com a Líbia durante 15 dias, e em dezembro fechou o aeroporto internacional Tunes-Cartago aos aviões líbios, no âmbito de medidas de reforço da segurança.

Fontes oficiais indicaram que seis mil tunisinos saíram do país para lutar no Iraque, Síria e Líbia, e muitos escolheram juntar-se ao EI.

Lusa

  • Governo quer aumentar fiscalização a baixas fraudulentas
    1:10

    País

    O Governo quer criar uma bolsa de médicos para fiscalizar quem recebe o subsídio por doença. A intenção foi manifestada à TSF pela secretária de Estado da Segurança Social. Em 2016 foram detetados mais de 56 mil trabalhadores com baixa médica que afinal estavam aptos para trabalhar.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.