sicnot

Perfil

Mundo

40 mil abelhas dão "voz" a álbum lançado esta semana

Vai estar à venda o "Be One", esta semana, um álbum que conta com a participação de 40.000 abelhas e uma dúzia de humanos. Oiça aqui um trecho.

A Colmeia, pavilhão britânico na Expo Milão 2015

A Colmeia, pavilhão britânico na Expo Milão 2015

© Alessandro Garofalo / Reuters

A Colmeia, pavilhão britânico na Expo Milão 2015

A Colmeia, pavilhão britânico na Expo Milão 2015

© Alessandro Garofalo / Reuters

A Colmeia, pavilhão britânico na Expo Milão 2015

A Colmeia, pavilhão britânico na Expo Milão 2015

© Alessandro Garofalo / Reuters

O projeto deu os primeiros passos o ano passado.

Wolfgang Buttress criou, para o pavilhão britânico, da Expo Milão 2015, uma colmeia gigante que permitia uma experiência sensorial única.

Os visitantes acompanhavam a dança de uma abelha, percorrendo paisagens diferentes. Começavam no pomar, passavam por um prado de flores silvestres até o elemento central: a Colmeia, uma escultura de 14 metros que utiliza luz e som para simular a atividade de uma colmeia real.

O som foi trabalhado e deu origem ao álbum, "Be One".

Kev Bales e Tony Foster, combinaram os sons das abelhas, com música produzida pelos Spiritualized, cujos membros são Jason Pierce, John Coxon e Amiina ( um grupo islandês que já gravou e acompanhou o grupo Sigur Rós), os Youth, a violoncelista Deirdre Bencsik e a vocalista Camille Buttress.

O álbum tem 12 músicas que serão apresentadas no Teatro de Nottingham, em Inglaterra, ao vivo, dias 18 e 19 de fevereiro, com todos os membros do grupo, exceto as abelhas.

​Oiça aqui.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão