sicnot

Perfil

Mundo

EUA acusam Ruanda de envolvimento na desestabilização do Burundi

Os EUA acusaram hoje o Ruanda de envolvimento em "atividades desestabilizadoras" no já instável Burundi, incluindo o recrutamento de refugiados para ataques armados contra o Governo.

Mais de 400 pessoas já foram assassinadas durante a crise e mais de 237 mil tiveram de sair do país.

Mais de 400 pessoas já foram assassinadas durante a crise e mais de 237 mil tiveram de sair do país.

© Jean Pierre Harerimana / Reut

As preocupações norte-americanas foram manifestadas na comissão senatorial de Negócios Estrangeiros por dois diplomatas de topo, que mencionaram relatórios de colegas no terreno, que apontam para o envolvimento do Ruanda na crise que se vive no Burundi.

"São relatórios credíveis sobre o recrutamento de refugiados do Burundi em campos no Ruanda, para participarem em ataques armados da oposição do Burundi contra o Governo do Burundi", afirmou Thomas Perriello, enviado dos EUA para a região africana dos Grandes Lagos.

O Burundi mergulhou numa crise política em abril, quando o Presidente, Pierre Nkurunziza, anunciou que se iria apresentar pela terceira vez a eleições presidenciais, o que está proibido pela Constituição e viola os acordos que terminaram com uma guerra civil em 2005.

Segundo a Organização das Nações Unidas, mais de 400 pessoas já foram assassinadas durante a crise e mais de 237 mil tiveram de sair do país, onde Nkurunziza foi reeleito em julho, num processo eleitoral que a comunidade internacional considerou fraudulento.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.