sicnot

Perfil

Mundo

EUA acusam Ruanda de envolvimento na desestabilização do Burundi

Os EUA acusaram hoje o Ruanda de envolvimento em "atividades desestabilizadoras" no já instável Burundi, incluindo o recrutamento de refugiados para ataques armados contra o Governo.

Mais de 400 pessoas já foram assassinadas durante a crise e mais de 237 mil tiveram de sair do país.

Mais de 400 pessoas já foram assassinadas durante a crise e mais de 237 mil tiveram de sair do país.

© Jean Pierre Harerimana / Reut

As preocupações norte-americanas foram manifestadas na comissão senatorial de Negócios Estrangeiros por dois diplomatas de topo, que mencionaram relatórios de colegas no terreno, que apontam para o envolvimento do Ruanda na crise que se vive no Burundi.

"São relatórios credíveis sobre o recrutamento de refugiados do Burundi em campos no Ruanda, para participarem em ataques armados da oposição do Burundi contra o Governo do Burundi", afirmou Thomas Perriello, enviado dos EUA para a região africana dos Grandes Lagos.

O Burundi mergulhou numa crise política em abril, quando o Presidente, Pierre Nkurunziza, anunciou que se iria apresentar pela terceira vez a eleições presidenciais, o que está proibido pela Constituição e viola os acordos que terminaram com uma guerra civil em 2005.

Segundo a Organização das Nações Unidas, mais de 400 pessoas já foram assassinadas durante a crise e mais de 237 mil tiveram de sair do país, onde Nkurunziza foi reeleito em julho, num processo eleitoral que a comunidade internacional considerou fraudulento.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.